1 evento ao vivo

Toffoli barra apreensão de livros com temática LGBT no Rio

Presidente do STF atende a pedido da PGR e suspende decisão de TJ-RJ, que havia autorizado ação de fiscais na Bienal do Livro

8 set 2019
13h47
atualizado às 16h35
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu suspender neste domingo (8) a apreensão de livros com temática LGBT na Bienal do Rio. A decisão atende a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e reverte despacho do presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Cláudio de Mello Tavares, que voltou a autorizar no sábado (6) a ação de fiscais da prefeitura a mando do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB). 

No texto em que atendeu ao pedido de Dodge, Toffoli disse que o "regime democrático pressupõe um ambiente de livre trânsito de ideias" e que a decisão do TJ-RJ "viola a ordem jurídica, e, no mesmo passo, a ordem pública".

HQ 'Vingadores - A Cruzada das Crianças' é censurada na Bienal do Livro
HQ 'Vingadores - A Cruzada das Crianças' é censurada na Bienal do Livro
Foto: Marvel/Reprodução / Estadão Conteúdo

Segundo o ministro, o TJ-RJ, ao entender "que o conteúdo homoafetivo em publicações infanto-juvenis exigiria a prévia indicação de seu teor, findou por assimilar as relações homoafetivas a conteúdo impróprio ou inadequado à infância e juventude". Ainda segundo Toffoli, isso feriu "a estrita legalidade e o princípio da igualdade" e que o tribunal do Rio, "sob pretensa proteção da criança e do adolescente, se pôs na armadilha sutil da distinção entre proteção e preconceito."

"O regime democrático pressupõe um ambiente de livre trânsito de ideias, no qual todos tenham direito a voz. De fato, a democracia somente se firma e progride em um ambiente em que diferentes convicções e visões de mundo possam ser expostas, defendidas e confrontadas umas com as outras, em um debate rico, plural e resolutivo", completou o ministro.

O vaivém sobre o caso começou com o anúncio de Crivella na noite da quinta-feira, 5, determinando que os organizadores da Bienal do Livro recolhessem uma HQ que, segundo ele, oferecia "conteúdo sexual para menores". Na obra Vingadores - A Cruzada das Crianças, lançada em 2010 e não destinada ao público infantil, os personagens Wiccano e Hulkling são namorados.

Na postagem o prefeito não esclarece com base em qual norma legal emitiu a determinação. Fiscais da prefeitura estiveram no evento e foram recebidos sob vaias. A medida também provocou reação do público presente no evento; 

A tentativa de recolhimento do livro em quadrinhos gerou repercussão entre editoras e a classe artística nas redes sociais. 

Prefeitura vai entrar com recurso

A prefeitura do Rio de Janeiro vai tentar reverter a decisão do STF. Em nota, por meio de sua assessoria de imprensa, a gestão municipal informou que "vai interpor, no STF, embargos de declaração à decisão do ministro Dias Toffoli".

"No recurso (ao STF), a Procuradoria Geral do Município afirma que a decisão (de Toffoli) não examina o fundamento da medida tomada pelo município do Rio de Janeiro ao fiscalizar a Bienal do Livro: a defesa de crianças e adolescentes, com base no Estatuto da Criança e do Adolescente, que determina que revistas e publicações contendo material impróprio ou inadequado para menores devem ser comercializadas em embalagem lacrada, com advertência sobre seu conteúdo", informou a prefeitura.

Com informações da Deutsche Welle e do Estadão Conteúdo

Veja também:

 

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade