0

Restrições à imprensa irritam correspondentes estrangeiros

Jornalistas foram impedidos de circular pelos ministérios e confinados a uma sala sem janelas

1 jan 2019
15h44
atualizado às 15h50
  • separator
  • 0
  • comentários

As restrições impostas pelo Itamaraty ao trabalho da imprensa na cobertura da posse do presidente Jair Bolsonaro levaram quatro jornalistas estrangeiros a deixar o Ministério das Relações Exteriores como forma de protesto.

Ao contrário do que houve em posses anteriores, quando a imprensa tinha liberdade para circular pelo ministério e entre os poderes, dessa vez os profissionais de imprensa foram confinados em uma sala de imprensa sem janelas instalada na sala San Tiago Dantas.

Segurança é reforçada na Esplanada dos Ministérios
Segurança é reforçada na Esplanada dos Ministérios
Foto: Renato Guariba / Futura Press

A decisão causou protestos dos repórteres. Alguns falaram em "cárcere privado" quando a imprensa chegou ao local e foi informada pela secretária de imprensa do Itamaraty, Ana Paula Kobe, de que ninguém poderia deixar o local até 17h30, quando ocorrerá um coquetel para as autoridades. No evento, os jornalistas novamente ficarão em um espaço sem acesso aos convidados.

A jornalista Fanny Marie Lotaire, da rede France 24, foi a primeira a pedir para sair junto com sua equipe. Em seguida o jornalista argentino Ricardo Longuércio, da agência chinesa de notícias Xinguan, reforçou o pedido, o que levou o ministério a providenciar um ônibus para retirar os insatisfeitos e levá-los de volta ao Centro Cultural Banco do Brasil.

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade