PUBLICIDADE

QG da Propina arrecadou R$ 50 milhões no governo Crivella

Subprocurador-geral de Justiça do Rio, Ricardo Martins afirmou que organização criminosa continuou com desvios mesmo após duas operações policiais e com investigações em curso

22 dez 2020 13h31
| atualizado às 13h56
ver comentários
Publicidade

O Ministério Público do Rio afirmou na tarde desta terça-feira, 22, que o esquema do "QG da Propina" na gestão do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), preso nesta manhã, arrecadou mais de R$ 50 milhões durante o mandato. Esse é o valor da indenização estipulada na denúncia contra o mandatário e outras 25 pessoas por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Foto: RD1

"Essa organização criminosa prosseguiu mesmo após duas operações de busca e apreensão, mesmo sabendo que a investigação estava em curso. Nem assim as atividades cessaram", disse o subprocurador-geral de Justiça Ricardo Martins.

Uma das fontes de arrecadação era a cobrança de um percentual sobre restos a pagar a empresas que precisavam receber valores da prefeitura. Em troca de serem favorecidas, elas desembolsavam propina calculada em cima desses próprios valores, numa espécie de "ganha-ganha".

O esquema foi descoberto a partir da delação premiada do doleiro Sérgio Mizrahy, preso no âmbito da operação Câmbio Desligo, um dos desdobramentos da Lava Jato fluminense. Segundo ele, o suposto QG funcionaria assim: empresas interessadas em trabalhar para o Executivo carioca entregavam cheques ao empresário Rafael Alves, um dos presos na operação desta terça, que faria a ponte com a Prefeitura para encaminhar os contratos. O esquema também funcionaria no caso de empresas com as quais o município tinha dívidas - aqui, o operador mediaria o pagamento.

Estadão
Publicidade
Publicidade