PUBLICIDADE

PSDB retalia deputados que votaram a favor do voto impresso

Partido diz que só parlamentares que se posicionaram contra a proposta receberão recurso extra do fundo eleitoral

11 ago 2021 18h43
| atualizado às 18h58
ver comentários
Publicidade
Entre os que votaram pelo voto impresso está o deputado Lucas Redecker
Entre os que votaram pelo voto impresso está o deputado Lucas Redecker
Foto: Najara Araujo / Agência Câmara

O PSDB encontrou uma solução para retaliar os 14 deputados federais da bancada que descumpriram a orientação partidária e votaram a favor da PEC do voto impresso, na noite de terça-feira, 10, sem puni-los internamente. Mas o partido retaliará esses parlamentares de outra maneira: dará um "bônus" do fundo eleitoral aos 17 deputados que seguiram a decisão da Executiva.

A direção da legenda se reuniu antes da votação e decidiu fechar questão contra a proposta da deputada Bia Kicis (PSL-DF), e defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Isso significa que os deputados poderiam ser até expulsos do partido por "justa causa". Assim, o PSDB continuaria sendo 'dono' do mandato.

Entre os que votaram pelo voto impresso está o deputado Lucas Redecker (RS), que coordena a campanha do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias tucanas que vão definir o candidato do partido à Presidência em 2022.

"Se a Executiva não tomar providências, o partido vai ser desmoralizado. Esses deputados descumpriram uma cláusula estatutária. O PSDB deve expulsá-los imediatamente e pedir o mandato", disse o presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo. Nenhum deputado tucano paulista votou a favor da PEC bolsonarista.

O presidente do PSDB, ex-deputado Bruno Araújo (PE), fez uma ofensiva junto aos parlamentares para virar votos. A expectativa inicial era que a ampla maioria da bancada, de 32 deputados, votassem pelo voto impresso. No placar final, a PEC do voto impresso teve 229 votos favoráveis e 218 contrários. Eram necessários 308 para que fosse aprovada.

Estadão
Publicidade
Publicidade