4 eventos ao vivo

PF vai investigar sargento da FAB preso com droga na Espanha

Manoel Rodrigues foi detido na Espanha por levar 39 kg de cocaína em avião que prestava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsonaro

3 jul 2019
22h26
atualizado às 23h14
  • separator
  • 0
  • comentários

BRASÍLIA - A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso na semana passada com 39 quilos de cocaína ao desembarcar em Sevilha, na Espanha. O objetivo da investigação é apurar eventuais ligações do militar com narcotraficantes e as circunstâncias que propiciaram a obtenção da droga.

Rodrigues, que é comissário de bordo, fazia parte de uma equipe de 21 militares que prestava apoio à comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na reunião do G-20, no Japão. O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) em que estava o militar é usado como reserva da aeronave presidencial e, portanto, ele não fazia parte do mesmo voo que transportou o presidente durante a viagem.

O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilla, na Espanha, por transportar cocaína
O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilla, na Espanha, por transportar cocaína
Foto: Reprodução / Estadão Conteúdo

A investigação está sob responsabilidade da Superintendência Regional da Polícia Federal do Distrito Federal.

Um dos caminhos dos investigadores será a análise das movimentações financeiras de Rodrigues. Segundo apurou o Estado, a PF ainda estuda medidas que podem vir a ser requisitadas à Justiça com esse objetivo, como a quebra do sigilo bancário do militar.

A primeira apuração aberta sobre o caso no Brasil foi a da própria Aeronáutica, que instaurou um inquérito policial militar na semana passada. A investigação corre sob sigilo.

Não há impedimento na legislação militar para apuração do crime, mesmo o sargento estando em território estrangeiro. A droga foi encontrada pela Guarda Civil da Espanha ao vistoriar a bagagem de Rodrigues no aeroporto de Sevilha na terça-feira da semana passada. Desde então, o sargento segue preso na cidade espanhola.

Uma equipe da Aeronáutica vai à Espanha para interrogar o sargento. Segundo afirmou Bolsonaro após se reunir nesta terça-feira, 2, com os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, a suspeita é de que Rodrigues já tenha transportado entorpecentes em outras ocasiões. "Todos nós achamos que não é a primeira vez que esse militar mexeu com drogas", afirmou o presidente logo após o encontro.

Na semana passada, o vice-presidente, Hamilton Mourão, chegou a chamar Rodrigues como uma "mula qualificada" - termo usado para pessoas pagas por traficantes para transportar droga.

Imóvel

Além do tráfico de entorpecente, Rodrigues é alvo de um processo administrativo aberto pela Aeronáutica para apurar possíveis irregularidades na ocupação de um imóvel funcional por sua ex-mulher. O apartamento está localizado na Asa Sul, em Brasília.

A reportagem esteve no condomínio e, de acordo com vizinhos, o sargento sempre aparentou ser um homem simples, que nunca demonstrou ter uma vida de ostentação.

Conforme o Estado mostrou, o sargento devia até meados de junho o condomínio de um apartamento em Taguatinga, no entorno de Brasília, do qual é proprietário. Ele pagou o débito de R$ 1.381,25 - referentes a três mensalidades - após ter sido cobrado judicialmente.

Veja também:

O projeto brasileiro no top 10 do "Nobel de Educação"

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade