2 eventos ao vivo

'Não pretendo conversar com Queiroz', afirma Bolsonaro

Em entrevista ao SBT, presidente diz não ter 'nada a ver' com as movimentações atípicas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro apontadas pelo Coaf

3 jan 2019
22h20
atualizado às 22h23
  • separator
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro reiterou nesta quinta-feira, 3, que não teve participação nas movimentações financeiras "atípicas" do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz registradas pelo Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Em sua primeira entrevista após a posse, concedida ao jornal SBT Brasil, ele admitiu que Queiroz, com quem mantinha amizade desde 1984, gozava de sua confiança. Disse, porém, que não pretende conversar com ele agora.

"Ele responde pelos seus atos. Não tenho nada a ver com essa história", disse o presidente. "Sempre gozou de toda confiança minha. Mais de uma vez tinha emprestado dinheiro para ele. Tinha emprestado para outros funcionários também", ressaltou. "Não vejo nada demais nisso aí, não cobro juros, nada."

Em entrevista ao SBT, presidente reafirmou que emprestou dinheiro a Fabrício Queiroz 
Em entrevista ao SBT, presidente reafirmou que emprestou dinheiro a Fabrício Queiroz
Foto: REPRODUÇÃO/SBT / Estadão

De acordo com informações do Coaf repassadas ao Ministério Público, Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), movimentou R$ 1,2 milhão no período de um ano em sua conta bancária - entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, o que foi considerada movimentação atípica. Uma das transações na conta de Queiroz citadas no relatório do Coaf é um cheque de R$ 24 mil destinado à primeira-dama Michelle Bolsonaro. Em entrevista, Queiroz disse que o dinheiro vinha da compra e venda de carro.

Na entrevista, Bolsonaro observou que o Coaf apontou indícios de irregularidade nas contas de 18 servidores da Assembleia do Rio de Janeiro, mas a imprensa deu destaque apenas a Queiroz. "Esse é o tratamento que recebo", disse.

Questionado se Queiroz ainda tinha sua confiança, Bolsonaro negou. "Até que ele prove o contrário, não pretendo conversar com ele. Até porque se eu for conversar, vão dizer que eu estou tentando aconselhá-lo, qualquer coisa", afirmou. O ex-assessor passou por uma cirurgia, nesta semana, de retirada de um tumor. "Deve ter tirado um pedaço do intestino. Não sei se houve metástase", disse Bolsonaro. "Peço a Deus que salve a sua vida e ele preste explicações ao Ministério Público."

O presidente também sinalizou que deseja dialogar com governadores do Nordeste, alinhados à oposição e que não compareceram à posse dele. "Não posso fazer guerra com governadores", disse. Ele comentou, no entanto, que "ficou sabendo" que há governadores que não colocarão a foto dele em seus gabinetes. "Aí se for verdade, neste caso, espero que não venham pedir nada para mim. Para estes aí, o presidente deles está em Curitiba", disse.

Bolsonaro afirmou ainda que "talvez um Congresso mais novo" pode aprovar uma lei definindo prisão em segunda instância.

Um repórter pediu que o presidente explicasse a promessa feita no discurso de posse de que "libertaria" o povo do socialismo já que essa prática política nunca foi implantada no País. Desconcertado, Bolsonaro disse que "graças" às Forças Armadas nunca houve socialismo. Ele citou o levante do PCB em 1935 e a versão militar de que houve uma tentativa de golpe por parte da esquerda em 1964, quando o presidente João Goulart foi deposto pelos militares.

Cirurgia para retirada da bolsa de colostomia está marcada

Bolsonaro relatou que pretende fazer a cirurgia de retirada da bolsa de colostomia na segunda-feira, dia 28, ou no dia seguinte. A bolsa foi acoplada ao seu corpo depois da facada que recebeu no atentado sofrido em setembro. Antes da operação, ele deverá viajar para a Suíça, onde participará do Fórum Econômico Mundial. "Pedi para adiar em uma semana (a cirurgia) para ir a Davos", contou.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade