PUBLICIDADE

Lula diz que, "se for preciso", vai "ao centro" nas eleições

Ao comentar a possibilidade de uma candidatura em 2022 , Lula disse que não precisa "necessariamente" ser candidato, mas não descartou

1 abr 2021 20h28
| atualizado às 20h55
ver comentários
Publicidade

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reagiu com ironia ao manifesto divulgado nesta quarta-feira, 31, por seis presidenciáveis em defesa da democracia, mas disse que o PT pode buscar alianças além dos partidos de esquerda "se for preciso chegar no centro para ganhar as eleições". Em entrevista ao jornalista Reinaldo Azevedo na Rádio BandNews FM, ao comentar a carta, Lula recomendou aos adversários "não inventar candidato", e criticou os signatários por não terem se alinhado com o candidato do PT nas eleições de 2018, Fernando Haddad.

"Tenho certeza que vamos construir alianças no setor de esquerda e, se for preciso chegar no centro para ganhar as eleições, a gente vai chegar", disse o ex-presidente. "Tome muito cuidado com isso. Toda vez que você fica tentando pescar em terra seca, não tem peixe. Você não inventa candidato. Se inventar, o resultado é nefasto."

10/03/2021
REUTERS/Amanda Perobelli
10/03/2021 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

O "Manifesto pela Consciência Democrática" foi assinado pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM); pelo apresentador de TV Luciano Huck; pelos ex-candidatos presidenciais em 2018 Ciro Gomes (PDT) e João Amoêdo (Novo) e pelos governadores tucanos João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS).

Lula ainda criticou os autores por não terem se alinhado em 2018 o candidato do PT à época, Fernando Haddad. "Todos eles tiveram a chance em 2018 de deixar a democracia garantida votando no Haddad. Essa gente preferiu votar no Bolsonaro", disse. "Ciro só foi para Paris, não votou."

Ao comentar a possibilidade de uma candidatura em 2022 , Lula disse que não precisa "necessariamente" ser candidato, mas também não descartou essa chance. O ex-presidente também disse que não acredita que a empresária Luiza Trajano, da rede de varejo Magazine Luiza, aceitaria entrar na política e concorrer a vice-presidente da República. O nome de Trajano tem sido ventilado por partidos que veem nela uma liderança no mercado com boas chances de atrair votos. Lula também disse que teve uma relação "extraordinária" com a empresária quando era presidente. "Não acredito que Luiza Trajano se meta com política, sinceramente."

O ex-presidente teve seus direitos políticos restituídos há três semanas por decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), e está apto a concorrer em eleições. Fachin declarou que a 13ª Vara Federal de Curitiba não era o foro competente para o processo e julgamento das quatro ações da Operação Lava Jato contra o ex-presidente, e anulou suas condenações.

Desde então, Lula tem sinalizado que pode concorrer nas eleições presidenciais de 2022.

 

Estadão
Publicidade
Publicidade