2 eventos ao vivo

"Agora todos estão vendo que não era só discurso", diz Lula

Ex-presidente diz a interlocutores que revelação de diálogos entre Moro e Dallagnol o deixou mais confiante de que sairá da prisão

11 jun 2019
13h55
atualizado às 14h05
  • separator
  • 358
  • comentários

"Agora todo mundo está vendo que não era só discurso", disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a interlocutores quando foi informado do teor das conversas atribuídas ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador da República Deltan Dallagnol divulgadas domingo pelo site The Intercept. Segundo pessoas que estiveram com Lula, a revelação dos diálogos deixou Lula revoltado com os responsáveis pela Lava Jato. Ao mesmo tempo, o ex-presidente se mostrou mais confiante de que o fim do período na prisão pode estar próximo.

Ex-presidente Lula durante entrevista aos jornais 'Folha de S.Paulo' e 'El País' na sede da PF em Curitiba
Ex-presidente Lula durante entrevista aos jornais 'Folha de S.Paulo' e 'El País' na sede da PF em Curitiba
Foto: Reprodução / Estadão Conteúdo

Nesta terça-feira, Lula recebeu as visitas dos advogados Cristiano Zanin e José Roberto Battochio na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Segundo Zanin, Lula "ficou bastante impactado com o conteúdo do material". Em entrevista coletiva na saída do prédio da PF, eles disseram esperar que o Supremo Tribunal Federal (STF) leve em conta as revelações ao analisar os pedidos de Habeas Corpus pendentes na corte.

"Temos a expectativa de que (o STF) julgue os HCs já pendentes e inclusive a falta de neutralidade do juiz Sérgio Moro em relação ao ex-presidente Lula", disse Zanin. "São temas já apresentados ao Supremo e que ajudam no julgamento", completou.

De acordo com o advogado, a defesa deve incluir formalmente no processo os diálogos revelados no domingo, mas ainda não definiu a forma e a data. Embora os novos dados não estejam nos autos, segundo Zanin sua essência é a base da argumentação da defesa desde o início do processo. "São coisas que nós já havíamos levantado desde o início. Esperamos que estes fatos novos ajudem a sensibilizar e mostrar ao Judiciário que o ex-presidente Lula não teve um julgamento justo, imparcial e independente", afirmou.

Conforme Zanin, o material divulgado até agora já é suficiente para provar que Moro não agiu como juiz imparcial mas "como coordenador da acusação".

Nesta terça-feira, o ex-presidente recebe a visita do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. Na segunda-feira, 10, Lula esteve com o deputado Emídio de Souza, tesoureiro nacional do PT, e com o ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh. Os três são advogados e integram formalmente a defesa do petista.

Veja também:

Intraday: Cautela com Previdência e cena política marcam dia dos ativos no mercado
Estadão
  • separator
  • 358
  • comentários
publicidade