PUBLICIDADE

Política

Dino diz ter votos suficientes no Senado após jantar com líderes e visita a gabinetes; veja vídeo

Ministro da justiça indicado ao STF é acompanhado pela senadora-aliada Eliziane Gama em "beija mão" por aprovação no Senado

29 nov 2023 - 13h08
(atualizado às 13h32)
Compartilhar
Exibir comentários

O ministro da Justiça, Flávio Dino, intensificou as articulações para ter sua indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF) aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e no plenário do Senado. Com apenas dois dias de "campanha" após a indicação pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ele diz já ter o apoio "suficiente" para vestir a toga de ministro da Suprema Corte.

O primeiro passo de Dino para a aprovação no Senado foi ainda na última segunda-feira, 27. Logo após o presidente Lula anunciar que seria ele o indicado a suceder a ex-ministra Rosa Weber no STF, Dino se reuniu no Ministério da Justiça com o presidente da CCJ no Senado, senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), para discutir o trâmite da votação, que foi marcada para acontecer no próximo dia 13 de dezembro.

Com pouco mais de duas semanas para pedir apoios, Dino participou, na última terça-feira, 28, de jantar com os líderes de partidos da base aliada do governo no Senado. O encontro foi realizado na casa do senador Randolfe Rodrigues (Sem partido-AP) e contou com a presença de ao menos nove senadores. Estiveram presentes o relator da indicação, Weverton Rocha (PDT-MA), Marcelo Castro (MDB-PI), Jorge Kajuru (PSB-GO), Leila Barros (PDT-DF), Eliziane Gama (PSD-MA), Fabiano Contarato (PT-ES), Jacques Wagner (PT-BA), Omar Aziz (PSD-AM) e Augusta Brito (PT-CE).

Weverton Rocha chegou ao Senado após apoio de Dino, mas apoiou concorrente do ministro da Justiça no pleito de 2022. Agora, o senador relata a indicação de Dino ao STF.
Weverton Rocha chegou ao Senado após apoio de Dino, mas apoiou concorrente do ministro da Justiça no pleito de 2022. Agora, o senador relata a indicação de Dino ao STF.
Foto: Reprodução/ Flávio Dino no Facebook / Estadão

Após a reunião, o relator afirmou que Dino deve ter ao menos 17 votos favoráveis na CCJ e 53 no plenário. Em busca dos votos de senadores independentes, Dino iniciou às 10h desta quarta-feira, 29, o périplo pelos gabinetes de senadores em busca da aprovação. Em pouco mais duas horas na Casa alta do Congresso, Dino passou pelos gabinetes do senadores Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), Eliziane Gama (PSD-MA) e Ivete da Silveira (MDB-SC).

O ministro foi ciceroneado durante o trajeto pela senadora Eliziane Gama, uma aliada política de Dino no Maranhão, que tem atuado para facilitar o "beija mão" com parlamentares independentes. Apesar de ser senador, o que é apontado por aliados como uma vantagem para ser aprovado ao STF, Dino enfrenta resistência de setores do Senado por conta da sua postura como ministro da Justiça. Em 11 meses no cargo, ele travou sucessivos embates com parlamentares e foi irônico em muitas discussões.

É com esse histórico em mente que a oposição ao governo Lula no Senado promete dificultar a vida de Dino durante a sabatina na CCJ. Os senadores desse campo já se mobilizam para bombardear o indicado do Palácio do Planalto com perguntas incomodas. Mesmo ciente das dificuldades que enfrentará, Dino ainda não buscou individualmente os opositores do governo para virar votos e diminuir arestas.

Alguns senadores de oposição, como Eduardo Girão (Novo-CE), dizem ser abertos ao diálogo, mas indicam que Dino precisa fazer gestos e se movimentar para conquistar um espaço em suas agendas.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade