PUBLICIDADE

Bolsonaro sobre atos antidemocráticos: liberdade de opinião

Presidente afirmou não ser justo punir essas pessoas; em fevereiro, o deputado bolsonarista Daniel Silveira foi preso após ofender o STF

26 jul 2021 12h36
| atualizado às 13h03
ver comentários
Publicidade
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília
REUTERS/Adriano Machado
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta segunda-feira, 26, que atos antidemocráticos não devem ser alvos de inquéritos por se tratarem de livre manifestação do pensamento.

"Se alguém comete um ato antidemocrático, é contra o governo federal, não é contra um [ministro] do Supremo [Tribunal Federal]. Eu não estou reclamando, entendo como liberdade de opinião. Você quer levantar um cartaz na rua pedindo pena de morte, faça o que você bem entender, isso é liberdade de expressão", pontuou. "Está na Constituição; eu respeito isso, outros não respeitam". 

"Não é justo punir, abrir inquérito contra essas pessoas", acrescentou o chefe do Executivo.

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), integrante da base bolsonarista no Congresso, foi preso, em fevereiro deste ano, por divulgar vídeos no qual fazia ofensas aos membros do Supremo Tribunal Federal. No mês passado, o parlamentar, que cumpria prisão domiciliar, foi detido novamente por não pagar fiança de R$ 100 mil.

"AI-5 é na Constituição anterior, não existe mais" 

O presidente também mencionou citações sobre o AI-5 - ato mais repressivo do período da ditadura militar - e minimizou: "O cara levanta uma placa AI-5. Aí é na Constituição anterior, não existe mais".

Bolsonaro citou ainda a ex-presidente da Bolívia, Jeanine Áñez. "Está presa, sabe por que? Acusada de atos antidemocráticos. Estão vendo alguma semelhança?", provocou em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

Estadão
Publicidade
Publicidade