0

Após Justiça negar morte presumida de Amarildo, família pede doações

21 ago 2013
18h02
atualizado às 18h06
  • separator
  • 0
  • comentários

A Justiça do Rio de Janeiro negou o pedido de morte presumida feito pela família do pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido há mais de um mês da Rocinha, levado por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Sem a certidão de óbito, a mulher do pedreiro, Elisabeth Gomes, não poderá solicitar pensão à Previdência Social, o que deixa mais nebulosa a situação financeira dos familiares. O filho mais velho de Amarildo, Anderson Dias, anunciou uma iniciativa de parentes e amigos de Amarildo que pode ser a "salvação" para os seus familiares. O grupo abriu uma conta bancária no Banco do Brasil para depósitos destinados à família, que podem ser feitos por qualquer cidadão sensibilizado com o drama.

Passado o período de desespero e angústia por não saber o paradeiro do seu pai, Anderson diz que agora o grande desafio é reconstruir uma nova vida. "Os meus irmãos mais novos ficam o tempo todo perguntando onde está o meu pai, quando ele vai voltar para casa. Isso dói demais, deixa a gente triste, sem saber o que fazer. Nós temos certeza que ele (Amarildo) está morto, que mataram ele, falar o que para as crianças? E depois do assassinato, não tivemos mais condições de trabalhar, nem eu e nem a minha mãe, então estamos sem dinheiro para comprar comida. Tá muito difícil", revelou.

Com medo de represália dos policiais da UPP, Elisabeth e seus seis filhos - Milena (6 anos), Alisson (10 anos), Ana Beatriz (13 anos), Amarildo Jr. (18 anos), Emerson (20 anos) e Anderson (21 anos) - mudaram-se para a casa de uma sobrinha do pedreiro, em outro imóvel na Rocinha, mais afastado do barraco de apenas um cômodo que eles residiam há mais de 20 anos, na localidade conhecida como Pocinho. "Agora piorou. Somos 17 pessoas morando num quarto, sala, cozinha e banheiro. É um aperto só, nossa! Estamos muito preocupados, porque recebemos um donativo de alimentos há uns dias, mas a geladeira só está esvaziando e ninguém consegue emprego. E quando acabar? Desse grupo todo, apenas três primos estão trabalhando e sustentando o resto, sendo que eles ganham pouco", conta.

Anderson disse que, após o sumiço de Amarildo, a sua família recebeu a visita do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), e também participou de uma reunião com o governador da cidade, Sérgio Cabral (PMDB), para solicitar das autoridades apoio financeiro. "Mas até agora ninguém da prefeitura nos procurou para ajudar. Nada aconteceu. Estamos contando com a ajuda dos amigos e parentes para sobreviver", afirmou Anderson. Segundo ele, os irmãos mais novos voltaram a estudar, mas o aprendizado está prejudicado pela falta de material escolar e nem roupa eles têm para ir ao colégio.

Com o olhar sem direção e emocionado, Anderson lembrou que, no dia em que seu pai foi levado pelos PMs, eles combinaram uma mudança radical que iria beneficiar toda a família. "O meu pai ia me levar para trabalhar com ele no dia seguinte que ele sumiu. Ele já tinha conversado com o chefe e estava tudo certo para eu trabalhar e aumentar o dinheiro lá em casa. Assim, a gente ia conseguir refazer o barraco, uma obra que ele e a minha mãe estavam sonhando há muito tempo", revelou o jovem.

Ele lembra como os seus parentes chegaram à Rocinha e disse que, apesar da apertada renda familiar, todos eram felizes e unidos. "A minha mãe chegou de Natal (RN) jovem e conheceu o meu pai numa feira livre, onde ele trabalhava com a minha tia Eunice vendendo caqui. Quem morava na Rocinha era o meu pai e, depois que casou com a minha mãe, carregou ela para a comunidade. Todos nós (ele e irmãos) nascemos ali. A gente até morava num barraco de madeira grande, mas aos poucos ele foi dividido para outros parentes e ficamos apenas com um cômodo. Agora que o meu pai pretendia aumentar novamente a nossa casa, mas acontece essa tragédia", conta. E é essa relação afetiva com a comunidade o maior entrave para a família de Amarildo sair da Rocinha, mesmo considerando o lugar não tão seguro depois do desaparecimento.

Quem quiser ajudar a família de Amarildo pode fazer a sua contribuição através de depósito na conta corrente aberta por amigos e parentes. A conta no Banco do Brasil está em nome de Anderson Gomes Dias, agência 5975-7, conta corrente número 1.913-5.

Veja também:

Trump recomenda a americanos cobrir o rosto ao sair às ruas
Jornal do Brasil Jornal do Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade