PUBLICIDADE

Movimento de caminhoneiros perde força e atinge 3 Estados

Concentrações de caminhões com abordagem a outros motoristas ocorriam no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e em Rondônia

10 set 2021 09h06
| atualizado às 09h17
ver comentários
Publicidade
Viatura da Polícia Rodoviária Federal em posto de combustível na BR-040, em Valparaíso de Goiás, durante protesto de caminhoneiros
09/09/2021 REUTERS/Adriano Machado
Viatura da Polícia Rodoviária Federal em posto de combustível na BR-040, em Valparaíso de Goiás, durante protesto de caminhoneiros 09/09/2021 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

As manifestações iniciadas por caminhoneiros perderam a força nesta sexta-feira, 10, ocorrendo somente em três Estados, de acordo com informações do Ministério da Infraestrutura, que acrescentou que não havia nenhuma interdição nas rodovias federais nesta manhã.

Segundo a pasta, concentrações de caminhões com abordagem a outros motoristas ocorriam no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e em Rondônia.

"Nos Estados de Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santos e Paraná não há mais qualquer ponto de retenção na malha federal. Há aglomerações sem prejuízo ao livre fluxo de veículos no Mato Grosso e no Pará", disse o ministério em boletim divulgado às 7h30. "Não há pontos de interdição em rodovias federais".

Na véspera, bloqueios chegaram a ser feitos por caminhoneiros em alguns Estados, como São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, entre outros, e a mobilização ocorreu em mais de 15 Estados em determinado momento do dia. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuou para desfazer os bloqueios e não houve impacto significativo no abastecimento, ao contrário do que ocorreu na prolongada greve da categoria em 2018.

A mobilização dos caminhoneiros começou na terça, quando alguns deles participaram dos protestos convocados pelo presidente Jair Bolsonaro no feriado do Dia da Independência, quando o presidente fez novos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçou com uma ruptura.

Na noite de quarta, Bolsonaro enviou um áudio a lideranças dos caminhoneiros pedindo o fim dos bloqueios, alegando que eles poderiam agravar a alta da inflação, um fator-chave na queda recente de popularidade do presidente apontada nas pesquisas.

Na quinta-feira, 9, Bolsonaro recebeu caminhoneiros que estavam em Brasília, na Esplanada dos Ministérios, e disse ter sido informado que o movimento da categoria iria até domingo. O presidente também baixou o tom contra o Supremo em uma nota oficial.

Além do apoio à pauta contrária ao STF impulsionada por Bolsonaro, caminhoneiros que participaram da mais recente mobilização da categoria mantiveram queixas recentes como contra a alta do preço dos combustíveis e o valor do frete.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade