0

Greenpeace apoia índios contra PEC de demarcação de terras

1 out 2013
14h33
atualizado às 14h41
  • separator
  • 0
  • comentários

Um grupo de ativistas da organização não governamental (ONG) Greenpeace e índios de diversas etnias iniciaram nesta terça-feira a semana de mobilização nacional indígena com um protesto pacífico no mastro da Bandeira Nacional, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Seis ativistas da ONG escalaram o mastro e estenderam uma faixa com o rosto de um indígena, a 70 metros de altura, e outra, a 50 metros de altura, com a frase "nossos bosques têm mais vida". O mastro tem 100 metros de altura.

Cerca de 200 índios cantaram ao pé do mastro protestando contra o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 215, que está em tramitação desde 2000
Cerca de 200 índios cantaram ao pé do mastro protestando contra o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 215, que está em tramitação desde 2000
Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

"O Greenpeace está aqui para prestar solidariedade à luta dos indígenas pela garantia de seus direitos e pela garantia da terra, devido ao ataque que a bancada ruralista vem articulando na tentativa de diminuir os direitos conquistados pela população indígena na Constituição de 1988", disse o coordenador da campanha Amazônia, do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista.

Cerca de 200 índios cantaram ao pé do mastro protestando contra o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 215, que está em tramitação desde 2000. A proposta retira do Poder Executivo a atribuição exclusiva de homologar terras indígenas. De acordo com o texto, o Congresso passa a ter competência para aprovar a demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e ratificar as demarcações homologadas.

Segundo o coordenador do Movimento Indígena da Bahia (MIB), Zeca Pataxó, os índios estão reunidos para dizer não à PEC 215. "Sabemos que se a demarcação de terras ficar com o Congresso, não terá mais terra demarcada para os índios por causa da bancada ruralista", disse o líder indígena.

Sonia Guajajara, do Maranhão, uma das coordenadoras da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), explicou que o ato marca o início da semana de mobilização e luta em defesa dos direitos territoriais dos povos indígenas. "Estamos colocando a cara indígena em Brasília. Ainda há uma grande demanda de terras a serem demarcadas em vários Estados. Isso traz um clima de insegurança para os povos indígenas e também incita os conflitos agrários", disse Sonia.

O protesto foi acompanhado por dois policiais militares e 12 homens do Corpo de Bombeiros para o caso de algum ativista do Greenpeace cair do mastro. "Não há crime nenhum. A Bandeira Nacional está incólume, não foi danificada", disse o tenente-coronel Gouveia, da Polícia Militar, que pediu aos índios que não apontassem arco e flecha para os policiais.

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade