1 evento ao vivo

RS: 6 sobreviventes da Boate Kiss esperam alta; veja quem são

Quase dois meses após tragédia, jovens estão internados nos hospitais Mãe de Deus e Clínicas, na capital gaúcha

26 mar 2013
17h13
atualizado às 19h58
  • separator
  • comentários

A angústia das famílias dos sobreviventes da tragédia na Boate Kiss, que matou 241 pessoas em Santa Maria no dia 27 de janeiro deste ano, está chegando ao fim. Na última sexta-feira, Joel Berwanger, 18 anos, Gabriele Stringari, 20 anos, e mais um terceiro jovem - não identificado pelo Ministério da Saúde - tiveram alta e já estão em casa, recuperados e em condições de retomar suas atividades diárias.

Agora, pelo menos quatro pacientes esperam liberação para começar uma nova fase em suas vidas, conforme relatos de familiares e amigos. Sobre o estado de saúde de outros dois internados, não há informações. Quatro jovens estão internados no Hospital de Clínicas, e dois, no Mãe de Deus, ambos em Porto Alegre. Veja a seguir quem são os jovens que tiveram alta e os que ainda se recuperam da tragédia.

A tragédia da Boate Kiss em números
Veja como a inalação de fumaça pode levar à morte 
Veja relatos de sobreviventes e familiares após incêndio no RS
Veja a lista com os nomes das vítimas do incêndio da Boate Kiss

<p>A estudante de Terapia Ocupacional já está em casa e diz que vai seguir lutando pela vida</p>
A estudante de Terapia Ocupacional já está em casa e diz que vai seguir lutando pela vida
Foto: Reprodução
Gabriele Stringari, 20 anos: natural de Alegrete (RS), ela é estudante de Terapia Ocupacional na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Gabriele estava no Hospital de Clínicas e foi liberada na sexta-feira. No dia da tragédia, a jovem trabalhava como atendente no bar da Boate Kiss e teve parte do corpo queimado.

"Depois de tanto tempo, enfim em casa. Nada melhor do que estar ao lado de quem amo... Espero logo logo retornar às minhas atividades e seguir em frente por aquilo que tanto lutei, a minha vida. Queria agradecer pela linda recepção que recebi dos meus familiares e amigos, das orações e pensamentos positivos, pelo carinho e dedicação. Também agradecer ao Hospital de Clinicas, onde fui muito bem assistida e conheci pessoas maravilhosas, que levarei pra sempre no coração... Um beijo especial pro meu pai e pras minhas irmãs que cuidaram, protegeram e me passaram muita força! Obrigaada!!!", disse ela no Facebook.

Kelen Ferreira, 19 anos, teve 30% do corpo queimado e é tratada no Hospital de Clínicas
Kelen Ferreira, 19 anos, teve 30% do corpo queimado e é tratada no Hospital de Clínicas
Foto: Reprodução

Kelen Ferreira, 19 anos: estudante do terceiro semestre de Terapia Ocupacional na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a jovem é natural de Alegrete (RS), próximo às fronteiras de Argentina e Uruguai, e mora com os tios em Santa Maria. Ela teve 30% do corpo queimado e teve o pé direito amputado após ter sido pisoteada no tumulto. Ela se recupera no Hospital de Clínicas.

Estudante de Medicina Veterinária na UFSM, Juciane Bonella, 22 anos, teve de fazer fonoaudiologia para recuperar a voz
Estudante de Medicina Veterinária na UFSM, Juciane Bonella, 22 anos, teve de fazer fonoaudiologia para recuperar a voz
Foto: Reprodução

Juciane Bonella, 22 anos: natural de São Marcos (RS), ela estuda Medicina Veterinária na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e se recupera bem no Hospital Mãe de Deus. Após a tragédia, ela foi encontrada quase um dia depois em um hospital de Cachoeira do Sul, sendo transferida posteriormente para tratamento em Porto Alegre. Ela precisou de enxertos nos braços, fisioterapia e fonoaudiologia para recuperar a voz, pois inalou uma grande quantidade de fumaça.

Ritiele Pedroso Lucas, 19 anos: primeira colocada no vestibular deste ano para Ciências Biológicas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), ela faz tratamento intensivo no Hospital Mãe de Deus. No começo deste mês, sua irmã, Driele Pedroso Lucas, 23 anos, morreu no mesmo hospital.

Mariane Wallau Vielmo, 24 anos, é estudante de Sistemas de Informação na Unifra e trabalhava como coordenadora de Informática no Colégio Franciscano Sant'Anna
Mariane Wallau Vielmo, 24 anos, é estudante de Sistemas de Informação na Unifra e trabalhava como coordenadora de Informática no Colégio Franciscano Sant'Anna
Foto: Reprodução

Mariane Wallau Vielmo, 24 anos: estudante de Sistemas de Informação na Unifra, ela é natural de Santiago (RS) e trabalhava como coordenadora de Informática no Colégio Franciscano Sant'Anna, em Santa Maria. No dia 23 de fevereiro, Mariane comemorou a evolução do tratamento no Hospital de Clínicas, por meio de sua página no Facebook. 

"Boa noite meus amigos! Sei que pode parecer uma mensagem de vereador, mas agradeço a todos vocês pelas forças e mensagens de compreensão no início e no meio dessa história. Eu to bem, em breve já vou pro quarto! Sigam rezando e enviando mensagens positivas, pois saibam que isso me faz muito bem. Estou conseguindo até tomar coca já!", relatou ela.

O estudante de Agronomia da UFSM Marcos Belinazzo Tomazetti faz tratamento no Hospital de Clínicas
O estudante de Agronomia da UFSM Marcos Belinazzo Tomazetti faz tratamento no Hospital de Clínicas
Foto: Reprodução

Marcos Belinazzo Tomazetti: acadêmico do curso de Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o jovem nasceu em Dom Pedrito (RS) e está internado no Hospital de Clínicas.

Joel Berwanger, 18 anos: estudante de Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), ele nasceu em Arroio do Meio (RS) e teve alta na última sexta-feira, dia 22, do Hospital de Caridade. Na sua página do Facebook, Joel agradeceu o apoio da família e dos amigos.

"Gostaria de agradecer a todos que de uma ou outra forma me ajudaram, me apoiaram ou me deram força nessa hora. Agradecer aos médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e cirurgiões pelo ótimo atendimento. Aos voluntários, que não medem esforços para auxiliar todas as vítimas internadas no hospital. Agradecer aos meus amigos e colegas que vieram me visitar no hospital, me dando força para seguir em frente. E de forma especial, agradecer à minha família que está sendo muito forte e necessária para mim neste momento."

Cristina Peiter, 24 anos: natural de Três de Maio (RS), a jovem é estudante de Engenharia Florestal na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e se recupera também no Hospital de Clínicas. No dia 22 de março, seus familiares mandaram notícias no Facebook.

"Ela passou por um novo enxerto nos ombros e no braço direito. Foi um procedimento muito longo, durou seis horas, mas está tudo certo. Agora é só esperar que não rejeite. Ademais, onde os enxertos já pegaram está tudo bem, sem curativos. Os pulmões estão bons. Ela passa por um momento de fisioterapia diário. Tá conseguindo caminhar um pouquinho já. Não existe previsão de alta. Essa previsão só poderá ser dada após acabarem os enxertos. Muito obrigado a todos pelo apoio e pelas orações, com certeza isso ajudou muito!"

Renata Pase Ravanello, 25 anos: estudante de pós-graduação em Direito do Trabalho, ela é advogada em Santa Maria e funcionária concursada da prefeitura de Júlio de Castilhos (RS). Natural de Cruz Alta, também no Rio Grande do Sul, Renata teve 20% do corpo queimado e passou por cirurgias de enxerto e transplante de pele. 

No dia 6 de março, o irmão dela, Jonas Ravanello, informou no Facebook que ela está se recuperando bem. "Povo, falei com a loira (Renata Ravanello) agora há pouco, ela está bem, a cada dia melhor. O braço direito e o pé ainda estão enfaixados, o esquerdo esta a milhão já. Abraço a todos."

Incêndio na Boate Kiss
Na madrugada do dia 27 de janeiro, um incêndio deixou 241 mortos em Santa Maria (RS). O fogo na Boate Kiss começou por volta das 2h30, quando um integrante da banda que fazia show na festa universitária lançou um artefato pirotécnico, que atingiu a espuma altamente inflamável do teto da boate.

Com apenas uma porta de entrada e saída disponível, os jovens tiveram dificuldade para deixar o local. Muitos foram pisoteados. A maioria dos mortos foi asfixiada pela fumaça tóxica, contendo cianeto, liberada pela queima da espuma.

Os mortos foram velados no Centro Desportivo Municipal, e a prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias. A presidente Dilma Rousseff interrompeu uma viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde prestou solidariedade aos parentes dos mortos.
 

Os feridos graves foram divididos em hospitais de Santa Maria e da região metropolitana de Porto Alegre, para onde foram levados com apoio de helicópteros da FAB (Força Aérea Brasileira). O Ministério da Saúde, com apoio dos governos estadual e municipais, criou uma grande operação de atendimento às vítimas. 

Quatro pessoas foram presas temporariamente - dois sócios da boate, Elissandro Callegaro Spohr, conhecido como Kiko, e Mauro Hoffmann, e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Luciano Augusto Bonilha Leão e Marcelo de Jesus dos Santos. Enquanto a Polícia Civil investiga documentos e alvarás, a prefeitura e o Corpo de Bombeiros divergem sobre a responsabilidade de fiscalização da casa noturna.

A tragédia fez com que várias cidades do País realizassem varreduras em boates contra falhas de segurança, e vários estabelecimentos foram fechados. Mais de 20 municípios do Rio Grande do Sul cancelaram a programação de Carnaval devido ao incêndio.

No dia 25 de fevereiro, foi criada a Associação dos Pais e Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia da Boate Kiss em Santa Maria. A intenção é oferecer amparo psicológico a todas as famílias, lutar por ações de fiscalização e mudança de leis, acompanhar o inquérito policial e não deixar a tragédia cair no esquecimento.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade