0

Motoristas de ônibus aprovam greve em São Paulo

Após dia de mobilização nesta quinta-feira, sindicato se reuniu e aprovou paralisação e protesto para sexta

5 set 2019
17h40
atualizado às 19h02
  • separator
  • 0
  • comentários

O Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas) aprovou no fim da tarde desta quinta-feira, 5, uma paralisação geral do serviço de ônibus na capital ao longo desta sexta-feira. A decisão foi tomada após um dia de mobilizações nesta quinta, que chegou a fechar 17 terminais e afetou o trânsito em diversas partes da cidade. A Prefeitura decidiu suspender o rodizío de veículos na tarde desta quinta e nesta sexta; o metrô e a CPTM informaram que terão operação reforçada diante da expectativa de aumento de passageiros.

Representantes do Sindmotoristas anunciaram greve da categoria à partir de sexta.
Representantes do Sindmotoristas anunciaram greve da categoria à partir de sexta.
Foto: Isabela Naiara / Photo Press / Estadão

Na assembleia do sindicato, foi informado que o serviço seria retomado na integridade nesta quinta, "para levar o trabalhador para casa", e que a paralisação terá início a partir da meia-noite. O presidente interino do sindicato, Valmir Santana da Paz, disse ter saído "entristecido" da reunião com a Secretaria Municipal dos Transportes. "Nenhuma das nossas questões foi resolvida. Não vamos deixar trabalhadores perderem seus empregos. Não vamos rodar amanhã (sexta)", disse.

O objetivo da manifestação iniciada nesta quinta, segundo os motoristas, é protestar contra o que chamam de "desmonte" do setor, com uma suposta redução de frota, além de cobrar o pagamento relativo à participação nos lucros e resultados (PLR) por parte das empresas. De acordo com a entidade sindical, havia transferência desse dinheiro prevista para esta quinta, o que não teria ocorrido.

O presidente licenciado do sindicato e deputado federal Valdevan Noventa (PSC), disse que a decisão de paralisação é o "começo de uma batalha". "Precisamos agir com estratégia e inteligência. Hoje (quinta), os motoristas levam os trabalhadores para casa, mas a partir da meia noite, nenhum ônibus vai rodar. A partir das 8h (desta sexta), vamos trazer os trabalhadores da categoria para um protesto na frente da prefeitura", declarou. Ele disse que a paralisação seguirá por tempo indeterminado até que a Prefeitura decida negociar com a categoria.

A São Paulo Transporte (SPTrans) informou que a operação de ônibus nos terminais urbanos estava retornando gradativamente no início da noite.

A Companhia do Metropolitano informou que, caso a greve se concretize, será antecipada a estrutura para o horário de pico da manhã com frota total de trens. "Manteremos essa estratégia enquanto houver necessidade", disse pelo Twitter. Por conta do fechamento de terminais nesta quinta, a companhia informou que já havia reforçado o quadro de funcionários "para um melhor atendimento aos passageiros".

Enquanto os ônibus não retomavam totalmente a circulação na tarde desta quinta, os usuários improvisavam jeitos de retornar para casa. Também à espera da linha Cohab Educandário, cinco pessoas que não se conheciam até então tiveram tempo de fazer amizade e estavam articulando um plano para dividir um Uber, já que iriam na mesma direção. Parte desse grupo recém-formado, a copeira Edineide de Jesus, 33, havia saído do trabalho na Vila Olímpia de trem até o terminal Pinheiros e precisava continuar viagem até sua casa no Jardim João XXIII. "Amanhã nem saio de casa, a menos que a empresa pague o Uber. Não vou ficar no prejuízo. Já coloquei isso para minha supervisora no nosso grupo de whatsapp."

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade