PUBLICIDADE

Dr. Jairinho ligou para o governador após morte de Henry

Vereador está preso desde 8 de abril e responde a processo por torturar e matar Henry Borel, enteado de quatro anos

25 mai 2021 21h09
| atualizado em 26/5/2021 às 10h03
ver comentários
Publicidade

O governador Cláudio Castro (PSC) para que responda por escrito sobre o telefonema que recebeu do vereador Jairo Souza Santos Júnior, o doutor Jairinho, poucas horas após a morte do menino Henry Borel, enteado do vereador, no dia 8 de março. O Conselho quer saber oficialmente o que Jairinho, que está preso desde 8 de abril e responde a processo por torturar e matar Henry, queria com o governador.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) em investigação pela morte do menino Henry Borel
A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) em investigação pela morte do menino Henry Borel
Foto: Reprodução / TV GLOBO / Estadão Conteúdo

No início de abril, o governador confirmou ter recebido essa ligação. "No telefonema, ao saber do fato, Castro limitou-se a explicar ao vereador que o assunto seria tratado pela delegacia responsável pelo inquérito e encerrou a ligação", informou à época, por meio de nota.

O Conselho decidiu também convocar o conselheiro do Instituto D'Or Pablo dos Santos Menezes. De acordo com o inquérito policial, Jairinho pediu a Menezes que o corpo do menino fosse liberado do hospital Barra D'Or sem que seguisse à autópsia no Instituto Médico-Legal (IML). O conselheiro da rede D'Or será ouvido na Câmara no próximo dia 2, às 10h.

O Conselho abriu processo de cassação contra o vereador por falta de decoro parlamentar, devido à acusação de tortura e homicídio da criança. "Já recebemos a defesa do vereador Jairinho e, após esta fase de instrução, teremos cinco dias úteis para apresentar o relatório, pela procedência ou improcedência da representação. Vamos seguir rigorosamente o rito, analisar toda a documentação e provas e, obviamente, estamos respeitando o contraditório e dando todo o direito à ampla defesa", disse o vereador Luiz Ramos Filho (PMN), relator do processo.

Estadão
Publicidade
Publicidade