9 eventos ao vivo

De Buenos Aires a Roma, discurso do papa sobre união de pessoas do mesmo sexo mudou

Depois de jornada no Brasil, o líder, que havia criticado a lei pró-união na Argentina, passou a incentivar a acolhida

22 out 2020
05h10
atualizado às 07h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

"Não sejamos ingênuos: não se trata de uma simples luta política; essa é a pretensão destrutiva do plano de Deus". Era o que o então cardeal Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, dizia sobre a lei que criava o casamento igualitário na Argentina, durante o governo de Cristina Kirchner.

Segundo ele, não se tratava de "mero projeto legislativo". "Este é somente o instrumento, de um movimento do pai da mentira (o diabo) que pretende confundir e enganar os filhos de Deus." Ou seja, era o próprio diabo quem estava nos bastidores, movendo os fios de suas marionetes, os políticos argentinos. "Aqui também está a inveja do demônio pela qual o pecado entrou no mundo, que procura destruir a imagem de Deus: homem e mulher que recebem o mandamento de crescer, multiplicar-se e dominar a terra."

Três anos depois, Bergoglio se tornou o papa Francisco. E logo em sua primeira viagem as coisas pareceram mudar. Papa Francisco voltava da Jornada Mundial da Juventude, no Brasil, quando foi questionado novamente sobre o tema. Disse então: "Deve-se distinguir o fato de que uma pessoa é gay do fato de fazer um lobby. Se é lobby, nem tudo é bom. Se uma pessoa é gay e procura o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?"

A mudança de comportamento significou na época uma virada do ponto de vista da pastoral do pontífice. Tratava-se de acolher os gays e não de rejeitá-los, ainda que isso não levasse a uma mudança no comportamento da Igreja em relação ao seu passado e aos seus dogmas. Agora, o papa Bergoglio faz uma caminho que parecia já ter sido anunciado no começo do ano por outros de seus importantes colaboradores.

A favor do reconhecimento da união civil entre homossexuais, os cardeais Walter Kasper e Gualtiero Bassetti, presidente da poderosa Conferência Epicopal Italiana (CEI), já haviam se manifestado. Além deles, houve a concordância do bispo Marcello Semerano, recentemente nomeado para a Congregação da Causa dos Santos no lugar do cardeal Angelo Becciu, que renunciou ao cargo depois de um escândalo financeiro envolvendo fundos do Vaticano.

No documentário

A mudança de agora não é uma surpresa só para a Cúria, mas sim para a história do papado - ainda que temas como os direitos decorrentes da união civil, como à adoção, não estejam claros em sua declaração.

O apoio à união civil aparece na metade do filme do americano de origem russa Evgeny Afineevsky, que em duas horas investiga as questões que mais preocupam Francisco em seus sete anos de pontificado, incluindo meio ambiente, pobreza, migração, desigualdade racial e de renda. No filme, Francisco se refere ao caso de Andrea Rubera, pai de três meninos e casado com um homem. Rubera mandou uma carta ao papa na qual explicava querer educar os filhos na fé católica, mas afirmou que não sabia como seria recebido em sua paróquia. Francisco telefonou para o pai e o aconselhou a procurar a paróquia, mesmo que haja resistências. E assim fez o pai.

Veja também:

Uso de bicicletas elétricas atrai população cascavelense
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade