PUBLICIDADE

Brasil ultrapassa marca de 550 mil mortes por covid-19

Foram ainda 18.999 casos, totalizando 19.707.662 os contágios confirmados desde 2020; apenas 18% da população já foi imunizada no País

26 jul 2021 18h43
| atualizado às 20h32
ver comentários
Publicidade
Imagem de protesto contra o governo Bolsonaro
Imagem de protesto contra o governo Bolsonaro
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Com mais 578 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, o Brasil ultrapassou a marca de 550 mil óbitos desde o início da pandemia, informou o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta segunda-feira (26).

Desta forma, o país chegou a 550.502 vítimas na emergência sanitária. Foram ainda 18.999 casos, totalizando 19.707.662 os contágios confirmados desde o ano passado. O boletim de hoje, porém, trouxe os dados epidemiológicos revisados pelo estado de Rondônia, com a correção de inconsistências e duplicidades. 

Os dados mantêm o Brasil como o segundo país do mundo com mais mortes causadas pela covid-19, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, que acumula 611 mil vítimas. A taxa de incidência continua a subir e está em 9.378,0 a cada 100 mil habitantes, enquanto que o índice de letalidade da doença está estável em 2,8%, sendo o Rio de Janeiro o estado com o maior taxa, 5,8%.

O estado de São Paulo mantém a liderança absoluta nos dois rankings, com 4.003.549 contaminações e 137.273 vítimas. Além do território paulista, seis outros estados brasileiros superaram a marca de 1 milhão de infecções pelo novo coronavírus: Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Santa Catarina e o Rio de Janeiro.

Hoje, o Ministério da Saúde informou que o número de casos da variante Delta do novo coronavírus subiu para 169. Na atualização da última sexta(23), o número estava em 143. Deste total, 13 pacientes tiveram quadro grave e morreram em decorrência da doença.

O local com mais registros até o momento foi o Rio de Janeiro, com 88 casos mapeados. O Distrito Federal teve um salto e assumiu o segundo lugar, com 30 casos, contra seis da semana passada.

Em seguida aparece São Paulo com 15, Paraná com 13, Maranhão com sete, Santa Catarina com cinco, Goiás com quatro, Rio Grande do Sul e Pernambuco com três cada e Minas Gerais com um. 

Consórcio de Imprensa

O Brasil registrou 587 novas mortes pela covid-19 nesta segunda-feira, 26, e o total de vítimas da pandemia já ultrapassa 550 mil. A média móvel de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, continua com tendência de queda e ficou em 1.101, levemente abaixo dos 1.105 registrados na véspera, em patamar equivalente ao do final de fevereiro deste ano e ainda considerado alto por especialistas.

Mais cedo, Rosana Leite, secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, afirmou que a disseminação da variante Delta no País tem sido "a maior preocupação" da pasta. Ainda nesta segunda, pelo menos oito capitais estavam com a aplicação da primeira dose da vacina suspensa por atraso na entrega do governo federal, enquanto outras duas restringiram o público elegível para a imunização.

O número de novas infecções notificadas nesta segunda foi de 21.088. No total, o Brasil tem 550.586 mortos e 19.706.704 casos da doença. Os dados diários do Brasil são do consórcio de veículos de imprensa formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde, em balanço divulgado às 20h. Segundo os números do governo, 18,39 milhões de pessoas estão recuperadas.

Já o número de pessoas vacinadas com ao menos uma dose contra a covid-19 no Brasil chegou nesta segunda-feira, 26, a 96.332.312, o equivalente a 45,49% da população total. Nas últimas 24 horas, 852.004 pessoas receberam a primeira aplicação da vacina, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias de 26 Estados e Distrito Federal.

Entre os mais de 96 milhões de vacinados, 38.026.271 estão com a imunização completa contra o coronavírus, o que representa 17,96% da população. Nas últimas 24 horas, 442.054 pessoas receberam a dose de reforço e outras 35,1 mil receberam uma vacina de aplicação única.

Com informações do Estadão Conteúdo. 
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade