1 evento ao vivo

Absolvida por Moro, mulher de Cunha é condenada em segunda instância

18 jul 2018
19h57
atualizado às 19h57
  • separator
  • comentários

TRF-4 revê decisão do juiz federal e condena Cláudia Cruz a dois anos e seis meses de prisão por evasão de divisas. Jornalista é acusada de ter se beneficiado de propina paga a seu marido em esquema na Petrobras.O Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4) condenou nesta quarta-feira (18/07) a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado federal Eduardo Cunha, a dois anos e seis meses de prisão pelo crime de evasão de divisas, no âmbito da Operação Lava Jato.

A pena deverá ser cumprida em regime inicial aberto, sendo depois substituída por restritivas de direitos. Cruz ainda tem direito a recorrer da condenação em segunda instância e, enquanto isso, pode aguardar em liberdade.

A decisão diverge do entendimento do juiz federal Sérgio Moro, da primeira instância, que em maio de 2017 absolveu a jornalista dos crimes de evasão e lavagem de dinheiro no mesmo processo. Cruz foi acusada de ter se beneficiado de propina desviada da Petrobras para seu marido.

Em julgamento nesta quarta-feira, a Oitava Turma do TRF-4 concluiu que ela cometeu evasão de divisas ao manter uma conta no exterior sem declarar o saldo às autoridades brasileiras.

O colegiado, contudo, manteve a absolvição do crime de lavagem de dinheiro por entender que não há provas que comprovem que os recursos depositados na conta são fruto de "ilícitos perpetrados anteriormente".

O advogado de Cruz, Pierpaolo Bottini, afirmou que vai recorrer da condenação por evasão de divisas, já que não foi uma decisão unânime da Oitava Turma, embora tenha considerado positiva a absolvição por lavagem de dinheiro.

Segundo a acusação, Cruz usou parte do dinheiro ilegal para comprar objetos de luxo a partir de uma conta na Suíça. O valor seria parte de uma propina de 1,5 milhão de dólares repassada a Cunha para facilitar a compra pela Petrobras de um campo petrolífero em Benin, na África, em 2011.

Pelos mesmos fatos, o ex-deputado do MDB foi condenado por Moro a 15 anos e quatro meses de prisão e está preso em um presídio na região metropolitana de Curitiba.

Ao absolver Cruz no ano passado, Moro afirmou que a jornalista teve "participação meramente acessória" no esquema, e considerou "bastante plausível" a alegação dela de que a gestão financeira da família era de responsabilidade de seu marido.

"Cumpre observar que, de fato, não há prova de que ela tenha participado dos acertos de corrupção [de Cunha]", escreveu o juiz na decisão. "Deveria, portanto, a acusada ter percebido que o padrão de vida levado por ela e por seus familiares era inconsistente com as fontes de renda e o cargo público de seu marido. Porém, [o comportamento] não é suficiente para condená-la."

EK/abr/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube |

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • comentários
publicidade