1 evento ao vivo

Bolsonaro diz que não trocará ministros em jogo do Palmeiras

Ele também sinalizou que não assinará o Prêmio Camões concedido a Chico Buarque

12 out 2019
22h18
atualizado às 22h27
  • separator
  • 0
  • comentários

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro afastou neste sábado, 12, a possibilidade de trocas na equipe ministerial. No estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, onde foi assistir ao jogo Palmeiras x Botafogo, Bolsonaro lembrou que as trocas de técnicos no futebol brasileiro são uma tradição que não se repete no governo dele.

Presidente Jair Bolsonaro em jogo do Palmeiras no Pacaembú
Presidente Jair Bolsonaro em jogo do Palmeiras no Pacaembú
Foto: EDUARDO CARMIM/AGÊNCIA O DIA / Estadão Conteúdo

"Os técnicos cansam. O Felipão (ex-técnico do Palmeiras) é um grande técnico, mas cansou. Parece uma tradição no Brasil ficar trocando de técnico", disse Bolsonaro. "No meu caso, não é (o caso de) agradar. É questão de dar conta do recado. O ministro tem meta definida e tem de se virar nessa meta. Hoje é difícil, porque ministro não tem verba e orçamento. Mas estou muito feliz com meus 22 ministros. Os que tinham de ser trocados, já foram trocados", disse.

Bolsonaro afirmou que teve a felicidade de poder escolher seus ministros. "É um bom caminho e eles devem satisfação a mim, e não ao partido político. Agora, pegamos um país arrebentado, ética, moral e economicamente. Estou fazendo o possível. Onde quer que eu vá, sou bem recebido", afirmou.

Nos últimos dias, o presidente foi pressionado por assessores próximos a demitir o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, indiciado pela Polícia Federal sob suspeita de envolvimento no esquema de laranjas do PSL.

Na entrevista, o presidente defendeu a transparência no próprio partido. "Não quero que estoure um problema e depois a imprensa me culpe. Quero abrir a caixa-preta para que o partido honre a bandeira que a gente tinha lá atrás. Não pode pegar uma verba de R$ 8 milhões por mês, dinheiro público, e uma minoria decidir o que fazer. Eu me elegi gastando R$ 2 milhões porque fiz uma vaquinha virtual", afirmou.

O presidente foi perguntado ainda sobre se assinaria o Prêmio Camões ao cantor Chico Buarque, crítico dele. "Ele já falou que a minha não assinatura é um prêmio, então ele está premiado duas vezes", disse Bolsonaro.

Veja também:

 

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade