0

Arábia Saudita exibe destroços de armas e diz que envolvimento iraniano em ataque é inegável

18 set 2019
12h16
atualizado às 13h10
  • separator
  • 0
  • comentários

A Arábia Saudita exibiu destroços de drones e de mísseis que, segundo o governo saudita, foram usados em ataques a instalações petrolíferas do país, afirmando que são uma evidência "inegável" de uma agressão iraniana.

Porta-voz do Ministério da Defesa saudita, coronel Turki al-Malki, dá entrevista coletiva e apresenta destroços de drones
16/04/2018
REUTERS/Hamad I Mohammed
Porta-voz do Ministério da Defesa saudita, coronel Turki al-Malki, dá entrevista coletiva e apresenta destroços de drones 16/04/2018 REUTERS/Hamad I Mohammed
Foto: Reuters

O porta-voz do Ministério da Defesa, coronel Turki al-Malki, disse que um total de 25 drones e mísseis foram lançados contra duas instalações nos ataques do último fim de semana, incluindo o que ele identificou como veículos aéreos não tripulados (UAV, na sigla em inglês) iranianos e mísseis de cruzeiro "Ya Ali". Ele disse que os mísseis têm sido usados pela Guarda Revolucionária do Irã.

"O ataque foi lançado do norte e inquestionavelmente patrocinado pelo Irã", disse o coronel em entrevista coletiva. "A evidência... que vocês veem à sua frente torna isso inegável."

Malki disse que drones e mísseis foram lançados contra Abqaiq, local da maior instalação de processamento de petróleo do mundo, e que mísseis de cruzeiro tinham como alvo Khurais.

O movimento houthi do Iêmen, alinhado ao Irã, que luta contra uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita, assumiu a responsabilidade pelos ataques.

Malki, que também é o porta-voz da coalizão, reiterou que o ataque não poderia ter sido do Iêmen, dizendo que o movimento houthi estava "encobrindo" o Irã.

O Irã voltou a negar qualquer envolvimento no ataque que reduziu pela metade a produção de petróleo da Arábia Saudita.

"Eles querem impor... pressão máxima sobre o Irã por meio de calúnias", disse o presidente do Irã, Hassan Rouhani, segundo a mídia estatal. "Não queremos conflitos na região... Quem iniciou o conflito?", disse ele, culpando o governo dos Estados Unidos e seus aliados no Golfo Pérsico pela guerra no Iêmen.

O presidente dos EUA, Donald Trump, também disse que não deseja guerra e afirmou que "não há pressa" para uma retaliação, acrescentando que está em coordenação com países do Golfo e da Europa.

A Arábia Saudita, maior exportadora mundial de petróleo, disse na terça-feira que os 5,7 milhões de barris por dia de produção perdidos devido ao ataque serão totalmente restaurados até o final do mês.

Os preços do petróleo caíram depois das garantias sauditas de retomada da produção. Na segunda-feira tinham chegado a subir mais de 20%, maior salto intradia desde a Guerra do Golfo de 1990-91.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade