PUBLICIDADE

Papa diz que africanos são "caso especial" sobre bênçãos a casais LGBTQIA+

Francisco disse que não estava preocupado com o risco de os conservadores se afastarem da Igreja Católica devido às suas reformas

29 jan 2024 - 09h05
(atualizado às 09h16)
Compartilhar
Exibir comentários
As bênçãos para casais do mesmo sexo foram permitidas no mês passado em um documento chamado Fiducia Supplicans (Confiança Suplicante)
As bênçãos para casais do mesmo sexo foram permitidas no mês passado em um documento chamado Fiducia Supplicans (Confiança Suplicante)
Foto: REUTERS

O papa Francisco disse em uma entrevista publicada nesta segunda-feira que os africanos são um "caso especial" na oposição dos bispos e de muitas outras pessoas no continente à homossexualidade.

10 anos de Papa Francisco: confira o que ele já disse sobre homossexualidade 10 anos de Papa Francisco: confira o que ele já disse sobre homossexualidade

Mas ele afirmou estar confiante de que, com exceção dos africanos, os críticos de sua decisão de permitir bênçãos para casais do mesmo sexo acabariam entendendo.

As bênçãos foram permitidas no mês passado em um documento chamado Fiducia Supplicans (Confiança Suplicante), que causou um debate generalizado na Igreja Católica, com uma resistência particularmente forte vinda dos bispos africanos.

"Aqueles que protestam veementemente pertencem a pequenos grupos ideológicos", disse Francisco ao jornal italiano La Stampa. "Um caso especial são os africanos: para eles, a homossexualidade é algo 'ruim' do ponto de vista cultural, eles não a toleram".

"Mas, em geral, confio que gradualmente todos serão tranquilizados pelo espírito da declaração 'Fiducia Supplicans' do Dicastério para a Doutrina da Fé: ela visa incluir, não dividir", afirmou o papa.

Na semana passada, Francisco pareceu reconhecer a resistência que o documento recebeu, especialmente na África, onde os bispos efetivamente o rejeitaram e onde, em alguns países, a relação homossexual pode levar à prisão ou até mesmo à pena de morte.

Ele disse que quando as bênçãos são dadas, os sacerdotes devem "naturalmente levar em conta o contexto, as sensibilidades, os lugares onde se vive e as formas mais apropriadas de fazer isso".

Na entrevista ao La Stampa, Francisco disse que não estava preocupado com o risco de os conservadores se afastarem da Igreja Católica devido às suas reformas, dizendo que a conversa sobre um cisma é sempre liderada por "pequenos grupos"

Voltando-se para Israel e os palestinos, o papa disse que a "verdadeira paz" entre eles não se materializará até que uma solução de dois Estados seja implementada e lamentou que o conflito esteja se ampliando.

Francisco confirmou que está programado encontro com o presidente de seu país natal, a Argentina, Javier Milei, em 11 de fevereiro, e há possibilidade de finalmente visitar o país - para onde ele não voltou desde que se tornou papa em 2013.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade