PUBLICIDADE

Feminicídio: ex-namorado de vítima é interrogado por nove horas na Itália

"Algo clicou em mim", disse Filippo Turetta, ex-namorado de Giulia Cecchettin, assassinada na noite de 11 de novembro

1 dez 2023 - 17h04
(atualizado às 17h28)
Compartilhar
Exibir comentários
Filippo Turetta foi detido na Alemanha após uma semana foragido
Filippo Turetta foi detido na Alemanha após uma semana foragido
Foto: Ansa / Ansa - Brasil

Pausas longas, silêncios, lágrimas, olhar vago, mas também respostas articuladas, aquelas que não tinha dado ao juiz três dias atrás, e algumas incongruências no relato verificadas com perguntas específicas, diante de vários "não lembro". E aquele "algo clicou em minha mente" para explicar o horror.

Em seguida, a sua verdade, o motivo do assassinato que chocou toda a Itália, da vida tirada da ex-namorada Giulia Cecchettin, esfaqueada até a morte enquanto tentava se defender com as mãos para parar os golpes.

O que é feminicídio? O que é feminicídio?

Filippo Turetta foi detido em Verona e interrogado por nove horas com acusações de homicídio voluntário, agravado pelo fim do relacionamento e sequestro, além da ocultação de cadáver, enfrentando ainda as agravantes de premeditação e crueldade.

Hoje, ele encontrou diante de si o promotor de Veneza, Andrea Petroni, que coordena a investigação dos carabineiros e contestou todas as provas coletadas, incluindo as duas facas encontradas e a fita adesiva, comprada online alguns dias antes de 11 de novembro e que teria sido usada para fechar a boca e amarrar as mãos da jovem que, por pelo menos um mês, após decidir deixá-lo no verão passado, tornou-se vítima de suas pressões psicológicas e chantagens.

Ele falava de "amor", dizia que só estava bem com ela e que, caso contrário, se mataria. Enquanto isso, como suas amigas com quem Giulia se confidenciava também contaram, ele a perseguia às vezes, especialmente nas últimas semanas, alimentando nela "ansiedade e medo".

Na noite de sábado, ela concordou em jantar em um shopping em Marghera. Ele ainda insistia em reatar o relacionamento, mas ela estava decidida em sua escolha. A primeira agressão ocorreu no estacionamento em Vigonovo, a menos de 200 metros de sua casa, na volta.

"Perdi a cabeça, algo clicou em mim", teria repetido Turetta na prisão. No estacionamento da Via Aldo Moro, os chutes quando Giulia já estava fora do carro do jovem de 21 anos, ela tentando reagir e um vizinho que testemunhou parte da cena soou o alarme, que foi ignorado.

Enquanto isso, Turetta já a havia levado, trancada no Fiat Grande Punto preto, para a zona industrial de Fossò, deserta na noite de sábado.

Uma câmera de vigilância registra as fases finais da segunda agressão. Não as facadas, muitas, mais de vinte. As imagens mostram Giulia sendo empurrada e atingida por trás enquanto tenta fugir correndo, já fora do carro. Ela bate a cabeça na calçada, cai e ele a coloca no carro.

Depois, a fuga. O corpo de Giulia, já morta por hemorragia, foi abandonado a mais de 100 quilômetros de distância, perto do lago de Barcis, com sacos de plástico preto cobrindo o cadáver. Sacos que ele já tinha consigo naquela noite.

À tarde, ele também teria feito uma inspeção em Fossò. No interrogatório extenso, que durou das 11h às 20h (horário local), Turetta teve que reconstruir passo a passo tudo o que aconteceu naquela noite, nos dias anteriores e na semana de fuga até a Alemanha.

Enquanto aguarda a transferência para a seção de isolamento do presídio, para sua própria proteção, o jovem pode ser novamente ouvido pelos investigadores nos próximos dias. Podem ser necessárias mais horas de interrogatório para esclarecer definitivamente todos os detalhes.

As mulheres que investigam feminicídios sem punição:
Ansa - Brasil   
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade