PUBLICIDADE

Jogamos: Pharaoh leva Total War para a Idade do Bronze

Ambientado no Antigo Egito, game traz ótimas novidades para a franquia de estratégia

2 jun 2023 - 08h43
Compartilhar
Exibir comentários
Total War: Pharaoh terá batalhas épicas no final da Idade do Bronze
Total War: Pharaoh terá batalhas épicas no final da Idade do Bronze
Foto: Creative Assembly / Divulgação

A franquia Total War é adorada por fãs de jogos de estratégia, tanto por quem curte a fantasia sombria da vertente Warhammer quanto pelos apreciadores das ambientações históricas, como o Império Romano ou às vezes, no meio termo, como em Tróia. Pharaoh, próximo jogo da série, foi feito para o segundo time.

Quer conhecer outros jogadores, saber das últimas novidades dos games e ter acesso a brindes e campeonatos? Participe do nosso Discord!

O game é ambientado no Egito, no final da Idade do Bronze, um período turbulento quando o país se estabeleceu como uma super potência da Antiguidade. 

O jogador assume o papel de diferentes faraós e lidera seus exércitos em batalhas contra adversários em conflitos de larga escala, como é o padrão de Total War, mas com algumas mecânicas de jogo inéditas, que o Game On pôde conferir ao jogar algumas partidas de Pharaoh: clima dinâmico e durabilidade dos equipamentos.

Tempestade no deserto

Em Total War Pharaoh, mobilidade no campo de batalha é fundamental
Em Total War Pharaoh, mobilidade no campo de batalha é fundamental
Foto: Relic / Divulgação

Na primeira batalha que joguei, estava no controle de Ramsés, enfrentando o exército do rival Seti. Meu exército consistia de lanceiros e arqueiros, além do faraó que tem alguns poderes únicos para elevar a moral dos soldados - nada sobrenatural, apenas o carisma do jovem líder egípcio.

O campo de batalha era um deserto simples e, no começo, os arqueiros de Seti estavam causando um belo estrago nos meus planos e, sendo bem esperta, a tropa inimiga não avançava, preferindo minar minhas unidades fazend chover flechas sobre nossas cabeças.

O que Seti não previu foi, bem, a metereologia: uma tempestade de areia começou de repente e cobriu todo o campo de batalha com areia. Isso prejudicou a visibilidade dos arqueiros de ambos os lados, mas permitiu que meus lanceiros dizimassem os adversários.

Em eventos assim, a precisão de arqueiros e outras unidades que lutam de longe despenca, todos os soldados se movem mais devagar e ficam cansados mais rápido e até tomam um pouco de dano. Ao aproximar a câmera, dá para ver unidades cobrindo o rosto com o braço ou com mantos, por exemplo. Um pequeno detalhe muito bacana.

As mudanças climáticas, que nas batalhas que joguei eram predeterminadas, para efeito de teste, serão dinâmicas na versão final do jogo, ou seja, cada partida poderá acontecer de forma diferente. E as tempestades de areia não são as únicas possibilidades.

Em uma segunda batalha, envolvendo Ramsés e o vizinho Supplilulíuma, a chuva mostrou seu poder de definir destinos. A luta rolava em uma região com vegetação e parcialmente alagada. Ambos os lados tinham cavalaria e bigas, além dos arqueiros, infantaria e lanceiros.

Quando uma forte chuva começou, o solo foi rapidamente ficando enlameado, o que me pegou de surpresa: além de dificultar a vida dos arqueiros e de ataques envolvendo o uso do fogo, também inutilizou as bigas que estavam na área, que passaram a se mover muito lentamente, afundadas na lama, tornando-se alvos fáceis para os lanceiros do irritado rei vizinho.

Durabilidade das armas e armaduras

Total War: Pharaoh se passa em plena Idade do Bronze, período em que o ferro e o aço ainda não tinham sido totalmente dominados, e por isso, as melhores armas e armaduras disponíveis são de bronze, um metal maleável, mas mais frágil do que seus sucessores.

Há muitas peças de couro também e fiquei curioso para ver a árvore de tecnologias de Pharaoh, em sua versão completa. Tudo é recriado com fidelidade histórica, tanto nas tecnologias existentes nesse período quanto na aparência. O resultado é bem exótico e ao mesmo tempo, brutal, principalmente no combate corpo a corpo.

O ponto principal dos equipamentos de bronze é a adição de uma medida de durabilidade. Armas e armaduras se desgastam com o uso e podem se partir durante a batalha. É mais um atributo para o jogador ficar de olho nas fases de gerenciamento, mas não imagino que seja algo ruim para os fãs de Total War, que apreciam o nível profundo de detalhes que a franquia oferece em suas decisões estratégicas.

Considerações

Total War: Pharaoh promete batalhas épicas em um período histórico que costuma ser lembrado mais por sua mitologia (e representações Hollywoodianas) do que por sua fascinante e intensa história real.

Ainda há muita coisa para ser revelada, como a nova campanha, outras facções, tecnologias e mesmo mais possibilidades do clima dinâmico. Mas já está claro que as novidades de Pharaoh devem continuar presentes no futuro de Total War.

Total War: Pharaoh chega em outubro para PC. 

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Publicidade