0

Superliga: Rio vira sobre Osasco e força 3º jogo da semi

Rio contou com boa atuação de Roberta para vencer em casa

25 mar 2016
21h25
atualizado às 21h58
  • separator
  • comentários

A semifinal da Superliga feminina de vôlei entre Rexona-Ades (Rio de Janeiro) e Vôlei Nestléi (Osasco) será decidida apenas no terceiro confronto da série. Na noite desta sexta-feira, a equipe carioca aproveitou a chance de jogar em casa, venceu o duelo por 3 sets a 1, com parciais de 21/25, 25/22, 25/23 e 25/16, e forçou a realização de mais uma partida.

Foto: CBV/Divulgação

No primeiro jogo da semifinal, Osasco venceu em casa por 3 sets a 2, dando demonstrações de que faria valer o histórico de equilíbrio entre as equipes. Os dois times se enfrentaram na final da Superliga nove vezes consecutivas, entre 2004 e 2013, e voltaram a disputar o título na temporada passada.

O confronto decisivo da série está marcado para segunda-feira, 28 de março, às 18h30 (de Brasília), novamente no ginásio do Tijuca Tênis Clube. Do outro lado da chave, o Dentil/Praia Clube enfrenta o Camponesa/Minas, neste sábado, tentando já selar sua classificação à final. Vitória do time de Belo Horizonte força o terceiro jogo do confronto.

A equipe da casa começou bem a partida e chegou à primeira parada técnica com quatro pontos de vantagem sobre o rival, mas não conseguiu manter o ritmo no restante do primeiro set. Com muitos erros no ataque, deixou Osasco virar e se distanciar no placar até fechar em 25/21.

A rivalidade entre as equipes ficava clara no comportamento do técnico Bernardinho, do Rio de Janeiro. Geralmente agitado à beira da quadra, reclamou muito dos juízes e chegou a discutir com Luizomar de Moura, temporariamente ocupando o cargo de assistente de Osasco por ter apresentado arritmia cardíaca durante o primeiro jogo de quartas de final contra Brasília – ele deixou o cargo de treinador para Jefferson Arosti.

A segunda parcial começou com domínio do time visitante, embalado ainda pela vitória no set anterior, mas a dinâmica do jogo mudou quando Bernardinho trocou a levantadora de sua equipe. Tirou a norte-americano Courtney Thompson e colocou Roberta, o que deixou o Rio em vantagem para fechar por 25/22.

O terceiro set foi uma síntese do equilíbrio entre as duas equipes. Osasco jogou à frente do marcador por boa parte da parcial, mas não conseguiu manter a consistência ofensiva e levou a virada – 25/23. A parte final de jogo foi a menos disputada. Embalado, o Rio comandou o marcador desde os primeiros pontos e garantiu a vitória.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade