0

São Paulo arrecadaria R$ 1,5 bi se vendesse os cinco garotos da base que são titulares hoje

Diego Costa, Luan, Gabriel Sara, Igor Gomes e Brenner são os destaques de campanha de semifinalista da Copa do Brasil; cada um tem multa de R$ 300 milhões

19 nov 2020
10h10
atualizado às 16h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A classificação do São Paulo para a semifinal da Copa do Brasil consagrou os garotos formados na base do clube. Do time titular escalado pelo técnico Fernando Diniz contra o Flamengo, cinco atletas são crias de Cotia: o zagueiro Diego Costa, o volante Luan, os meias Gabriel Sara e Igor Gomes e o atacante Brenner. Todos eles vivem boa fase. Desde 2019, o São Paulo aumentou a multa rescisória dos jovens para clubes do exterior, passando para 50 milhões de euros (R$ 318 milhões na cotação atual). Um valor fixo. Se vendesse todos eles na próxima janela pelo valor da multa, o clube do Morumbi levantaria R$ 1,5 bilhão.

Antes, os valores dos contratos dos garotos giravam em torno de 40 milhões de euros, mas a diretoria elevou os números após analisar o mercado nos anos anteriores, com a venda de Vinicius Júnior, ex-Flamengo, e Rodrygo, ex-Santos, para o Real Madrid, da Espanha, por 45 milhões de euros e 40 milhões de euros, respectivamente. Esses meninos tiveram seus acordos negociados antes mesmo de completar 18 anos.

Apesar da valorização dos atletas, qualquer negociação ficará apenas para o ano que vem. A janela de transferências dos principais mercados europeus está fechada. Além disso, o São Paulo passará por eleição presidencial no fim deste ano. O atual presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, deixará para o próximo mandatário - Julio Casares ou Roberto Natel - decidir o futuro do elenco. Eles disputam as eleições.

O site especializado em valor de mercado dos jogadores Transfermarkt atualizou os números até o início de setembro, quando os garotos do São Paulo ainda não estavam em alta. Igor Gomes, por exemplo, tinha na época valor de mercado estipulado em 5 milhões de euros (R$ 31,5 milhões). O de Brenner, que ainda era reserva e pouco utilizado em setembro, era 1,3 milhão de euros (R$ 8 milhões). O de Gabriel Sara é de 3,5 milhões de euros (R$ 22 milhões). Já o de Luan é de 2,30 milhões de euros (R$ 14,5). Diego Costa não tem valor de mercado estipulado pelo site. Os valores, é claro, vão aumentar na próxima atualização por causa da boa fase vivida pelos jovens no clube do Morumbi.

O São Paulo sempre foi um formador de bons jogadores. Kaká talvez tenha sido o maior ícone desta fornalha. O time tem em Cotia um grande aliado. Recentemente, essa percepção de que se deve buscar na base soluções das carências dos elencos atingiu em cheio todos os clubes. Quando foi contratado, Fernando Diniz teve a recomendação de Raí e do presidente Leco de olhar para esses jovens. Antony foi um desses garotos que surgiram e foram embora. O São Paulo o vendeu para o Ajax, da Holanda, por R$ 96 milhões.

Dos cinco jogadores "made in Cotia" titulares diante do Flamengo, de Rogério Ceni, quem tem despertado mais interesse de clubes europeus é Brenner, de 20 anos. Ele tem contrato com o São Paulo até setembro de 2022. E vem fazendo gols importantes. Nascido em Cuiabá, veio tentar a sorte na capital paulista aos 13 anos em um teste. A aprovação abriu as portas para ele no São Paulo e a estreia veio em 2017, graças ao então técnico Rogério Ceni. Antes se firmar no time e virar destaque neste ano, passou uma temporada emprestado ao Fluminense.

Igor Gomes, por sua vez, já teve mais destaque em 2019, quando o São Paulo recusou proposta de empréstimo de time da elite espanhola. No primeiro semestre deste ano, ele recebeu valorização salarial, mas seu contrato continuou válido até março de 2023. São-paulino desde criança, foi descoberto pelo clube ainda adolescente. Os dirigentes monitoravam o andamento dele em escolinhas de futebol e quando Igor completou 14 anos, trocou a casa dos pais em São José do Rio Preto (SP) pelo alojamento da base, em Cotia.

Luan é outro que já chamou a atenção de clubes estrangeiros. No meio deste ano, inclusive, chegou a ser sondado pelo Portimonense, de Portugal. Ele não vinha tendo espaço com o técnico Fernando Diniz, mas o cenário mudou no mês passado. O jovem de 21 anos assumiu a posição que era de Tchê Tchê e não saiu mais da equipe graças à força na marcação. É um dos atletas do plantel com mais tempo de clube. Com apenas 11 anos, Luan entrou para as categorias de base do São Paulo. Entre 2010 e 2018 ele integrou os times inferiores e até foi chamado para a seleção brasileira sub-20.

Gabriel Sara tem prestígio com Diniz e foi bancado mesmo após receber críticas da torcida por atuações ruins. A insistência do treinador com o meia de 21 anos deu resultado, e hoje Sara é um dos jogadores mais importantes do São Paulo. O contrato dele com o clube vai até março de 2023. Catarinense de Joinville, ele é filho de Jorge Luís, ex-ponta-esquerda do Americano (RJ). O jogador até passou em um teste no Coritiba aos 11 anos, mas preferiu tentar a sorte no São Paulo, onde começou no sub-17.

Diego Costa também recebeu apoio do treinador após oscilar na defesa. Aos 21 anos, o zagueiro se destacou em seu início como titular em agosto, mas acumulou falhas em jogos recentes. Ele foi capitão da equipe nas categorias de base e integra o elenco profissional desde o meio do ano passado. O defensor tem contrato até o fim de 2022 e chegou ao clube com 16 anos, depois se destacar pelo Grêmio Prudente. Um dos pontos fortes dele na base foi a versatilidade de atuar de zagueiro e de volante.

O São Paulo sabe que os clubes europeus vão bater em sua porta mais cedo ou mais tarde, por isso ele mudou os valores das multas para o mercado estrangeiro. Vender jogador é sempre uma opção para fazer caixa e arrumar a parte financeira do clube.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade