PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Meu time

Abel Ferreira rebate críticas da torcida do Palmeiras sobre Luiz Adriano: 'Critiquem a mim'

Torcida não cantou o nome do centroavante antes da partida, vaiou a substituição e pediu respeito ao camisa 10

18 out 2021 09h02
| atualizado às 09h02
ver comentários
Publicidade

Titular do Palmeiras diante do Internacional, Luiz Adriano vive fase conturbada dentro e fora de campo. Com 30 jogos e apenas quatro gols na atual temporada, o camisa 10 se envolveu em duas polêmicas ao longo da última semana e não teve uma boa recepção da torcida na vitória Alviverde contra a equipe colorada.

Luiz Adriano não teve seu nome cantado pela torcida do Palmeiras contra o Internacional (Foto: Cesar Greco)
Luiz Adriano não teve seu nome cantado pela torcida do Palmeiras contra o Internacional (Foto: Cesar Greco)
Foto: Lance!

Na derrota contra o Red Bull Bragantino, na semana passada, o atacante foi flagrado discutindo com um torcedor no banco de reservas, antes de entrar em campo no segundo tempo da partida. Nesta quinta-feira (14), um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou o jogador devolvendo xingamentos direcionados à arquibancada antes mesmo do apito inicial, no aquecimento para o jogo.

Escalado mais uma vez como titular pelo técnico Abel Ferreira, ele foi 'ignorado' pela torcida no tradicional cântico antes da bola rolar, homenageando os titulares, um a um. Ele já não havia sido aplaudido pela torcida quando a escalação foi anunciada pelo sistema de som do Allianz Parque.

Novamente sem fazer uma grande partida, o camisa 10 escutou vaias do público presente na arquibancada quando deixou o gramado no segundo tempo, enquanto Raphael Veiga e Dudu, também substituídos, foram aplaudidos. Após a alteração, parte da torcida entoou cantos pedindo 'respeito' ao atleta.

Depois do jogo, em coletiva de impressa, Abel defendeu o atacante, solicitando que a torcida critique o treinador e não canalize as irritações no atleta.

- Faço um desafio. Quando quiserem criticar, critiquem o treinador. Tenho costas largas, gosto de fazer ginástica, critiquem o treinador. O que quiserem para desabafar, mas critiquem a mim. Apoiem os jogadores - disse Abel.

- Luiz tem um bom comportamento jogando ou não. Quer jogar sempre. E é um "chama títulos". Portanto, critiquem a mim. Tenho as costas largas. Apoiem os jogadores do início ao fim. Se fizerem isso, tenho certeza de que mais alegria eles vão dar - completou.

O comandante também ressaltou o pedido de união. Relembrando o mantra de harmonia que utiliza desde sua chegada ao Brasil, ressaltou que a equipe fica muito mais forte quando existe unidade nas arquibancadas.

- A torcida, quando se une, ganha jogos. Se todos formos um, do primeiro ao último segundo, nas vitórias e nas derrotas, sobretudo nas dificuldades durante o jogo, tenho certeza absoluta de que somos muito mais fortes - analisou.

Na expectativa de encontrar o Allianz Parque lotado pela primeira vez, Abel terá apenas um confronto com 50% da capacidade do estádio liberada antes de se encerrar a limitação imposta desde março de 2020. Diante do Sport, na segunda-feira (25), novamente estarão disponíveis cerca de 20 mil ingressos para o público, enquanto apenas no dia 10 de novembro, pela 31ª rodada, no confronto contra o Atlético-GO os 100% da capacidade estarão disponíveis.

- Muito ansioso para ver esse estádio cheio e já sei que os jogadores não vão me ouvir. Estou treinando para que cada um seja treinador em campo para que pensem no que estão fazendo. A torcida, quando se une, ela ganha jogos - finalizou.

O Maior Campeão Nacional volta a campo nesta quarta-feira (20), contra o Ceará. Em busca de mais uma vitória, o time enfrenta o adversário às 19h (horário de Brasília), na Arena Castelão, em Fortaleza, em jogo atrasado da 19ª rodada do Brasileirão.

Lance!
Publicidade
Publicidade