1 evento ao vivo

Início animador, sufoco no fim: festa aos vascaínos, que tanto merecem

Vitória do Vasco sobre o Cruzeiro teve pressão dos mandantes no início e dos visitantes no fim da partida. Ao final, quem segue dando prova de apoio celebrou em São Januário

3 dez 2019
01h38
atualizado às 01h38
  • separator
  • 0
  • comentários

A vitória do Vasco sobre o Cruzeiro teve algumas marcas bem claras. O início forte do Cruz-Maltino, evolução mineira na segunda etapa e muita festa dos presentes, que tanto fizeram especialmente nos últimos dias.

Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Taticamente

Mais uma vez a emoção num jogo do Vasco rendeu até os minutos finais (Bruno Haddad/Cruzeiro)
Mais uma vez a emoção num jogo do Vasco rendeu até os minutos finais (Bruno Haddad/Cruzeiro)
Foto: Lance!

Luxa mudou o time (André Melo Andrade/MyPhoto Press/Lancepress!)

Com os desfalques do suspenso Raul e de Marcos Junior, pelo protocolo de concussão (além de Talles Magno, lesionado há mais tempo), Vanderlei Luxemburgo colocou em campo um time ofensivo e com bastante amplitude. Richard era o volante mais recuado, com Guarín e Andrey alinhados à frente. Os pontas Rossi e Marrony empurravam os laterais e procuravam gerar espaços.

Início forte

Guarín brilhou (Andre Melo Andrade/MyPhoto Press/Lancepress!)

O Vasco começou a partida em ritmo acelerado. Tanto que logo nos primeiros minutos reclamou de um pênalti em Rossi e, pouco depois abriu o placar com Guarín. Embora nem sempre com chances claras, o Cruz-Maltino não deixou o Cruzeiro jogar no primeiro tempo.

Pressão visitante

Henrique é um dos veteranos do Cruzeiro (Bruno Haddad/Cruzeiro)

Com Fred e Marquinhos Gabriel desde o primeiro minuto da segunda etapa, o Cruzeiro melhorou consideravelmente, forçando o Vasco a se retrair. A Raposa foi melhor durante o segundo tempo e a reta final foi de sofrimento para o torcedor cruz-maltino, que viu uma chance claríssima ser perdida pelo rival. Dois atletas, incrédulos, demoraram a se levantar do gramado tamanho drama.

Fica o alerta

Vasco se limitou à rebater bolas no fim (Bruno Haddad/Cruzeiro)

Em que pese o quase desespero do Cruzeiro, o Vasco leva lição do segundo tempo desta segunda-feira para o futuro. Precisou se proteger, é verdade, mas quase não reteve a bola e construiu poucos contra-ataques. Defesas de Fábio na etapa derradeira foram pouquíssimas.

Eles merecem

Torcida fez bonita festa em São Januário (Rafael Ribeiro/Vasco)

A torcida foi um espetáculo à parte. Apoiou desde antes do início até o fim. Celebrou o gol precoce, apoiou e pouco cantou o tradicional "Ei, Vasco, vamos jogar!". Depois da semana de adesão em massa ao quadro de sócios, a recompensa foi justa.

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade