PUBLICIDADE

Fifa confirma novas datas de Copa América e Euro em 2021

Por videoconferência, Conselho da entidade anuncia comitê para lidar com as consequências globais da pandemia de coronavírus

18 mar 2020
14h56 atualizado às 16h09
0comentários
14h56 atualizado às 16h09
Publicidade

 

Sede da Fifa, em Zurique (Foto: Fabrice Coffrini / AFP)
Sede da Fifa, em Zurique (Foto: Fabrice Coffrini / AFP)
Foto: LANCE!

O Bureau do Conselho da Fifa, presidido por Gianni Infantino, se reuniu por videoconferência nesta quarta-feira para tratar das circunstâncias excepcionais relacionadas à pandemia de coronavírus. Por unanimidade, a Copa América e Eurocopa foram incluídas no calendário internacional e serão disputadas entre 11 de junho e 11 de julho de 2021. Além disso, o encontro ratificou o reagendamento do novo Mundial de Clubes.

— Essa situação excepcional requer medidas e decisões excepcionais. Essa crise impacta todo o mundo e é por isso que as soluções precisam levar em conta o interesse de todos os envolvidos. Nós mostramos mais uma vez o espírito de cooperação, solidariedade e unidade. Gostaria de agradecer a todos os presidentes de confederações pelas contribuições positivas e pelos esforços. Conto com o apoio de toda a comunidade do futebol — declarou Infantino.

A reunião virtual também definiu a criação de um grupo formado pelas Confederações filiadas à FIFA, em vista de monitorar a evolução do surto de COVID-19 e trabalhar com ações coordenadas para auxiliar com as consequências da pandemia. Entre as tarefas deste comitê estão os seguintes tópicos:

- Calendário: Garantir soluções globais para o calendário em todos os níveis, considerando necessidades de todas as partes interessadas e mantendo a saúde dos participantes como prioridade;

- Transferência de jogadores: avaliando a necessidade de alterações ou dispensas do Regulamento de Situação e Transferência de Jogadores para proteger clubes e atletas e ajustar o período de registro de jogadores, mais conhecido como janela de transferências.

- Fundo de apoio potencial: Avaliar o impacto econômico enfrentado no futebol em cada continente para analisar a criação de um fundo global de apoio e, neste caso, definir os mecanismos de suporte às partes necessitadas.

O Conselho também estabeleceu a doação de US$ 10 milhões (51.4 milhões de reais, na cotação atual) ao Fundo de Resposta de Solidariedade COVID-19 da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Fifa, segundo comunicado, trabalhará em parceria com a entidade para garantir que o montante seja utilizado para apoiar a luta contra o vírus em todas as regiões do mundo.

Veja também:

Os dez atletas mais bem pagos da década, segundo a Forbes:

 

Lance!
Publicidade
Publicidade