0
Logo do Atlético-MG
Foto: Divulgação

Atlético-MG

Ex-presidente do Atlético-MG: "futebol não é para pobre"

Prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil declarou que futebol não é coisa para pobre, ao ser questionado sobre os altos preços cobrados por ingressos

16 jul 2017
19h11
atualizado às 19h22
  • separator
  • comentários

O alto valor cobrado por ingressos tem diminuído a quantidade de torcedores nos estádios brasileiros. Isso também acaba prejudicando os clubes, que recebem uma renda menor. Mas alguns dirigentes insistem em manter o preço nas alturas. O ex-presidente do Atlético-MG, Alexandre Kalil é um dos que defendem os valores exorbitantes. Em entrevista ao jornal El País , o ex-cartola afirmou que futebol não é para pessoas pobres.

"No mundo inteiro, futebol não é coisa para pobre. Doa a quem doer. Ingresso é caro em todo lugar. Torcida dividida e entrada a preço de banana estragada só existem no Brasil. O Atlético coloca ingresso a R$ 20 e não lota o estádio. Futebol não é publico, não é forma de ajuda social", declarou Alexandre Kalil.

O ex-presidente ainda relembrou quando o Atlético-MG disputou a Libertadores de 2013. Na final contra o Olimpia, no Mineirão, 58.620 torcedores estiveram no estádio, pagando em média R$ 250. Nesse período, o clube conseguiu arrecadar mais de R$ 14 milhões para os seus cofres. Entretanto, quando foi questionado sobre a época em que o clube colocou ingressos à venda por R$ 5, na tentativa de encher o estádio durante a campanha do time pela Série B, o ex-cartola afirmou que "isso foi em outra época".

O ex-presidente do Atlético-MG declarou que futebol não é para pobre, em entrevista ao El País (Foto: Divulgação)
O ex-presidente do Atlético-MG declarou que futebol não é para pobre, em entrevista ao El País (Foto: Divulgação)
Foto: LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade