PUBLICIDADE

Brasileiro se destaca e jogará no maior templo do snooker no mundo

Igor Figueiredo será o primeiro sul-americano a ter essa oportunidade

20 abr 2021
0comentários
Publicidade

Igor Figueiredo será o primeiro sul-americano a competir no Crucible Theatre, considerado o templo sagrado do snooker (sinuca inglesa), localizado no centro de Sheffield, na Inglaterra. Responsável por revolucionar a modalidade no Brasil, o niteroiense de 43 anos é um dos 16 atletas escalados para disputar o importante The ROKiT World Senior Snooker, que acontece entre os dias 6 e 9 de maio. Campeão mundial sênior pela WSF (World Snooker Federation), Igor quer seguir fazendo história para popularizar o esporte no país.

Igor Figueiredo em ação (Divulgação)
Igor Figueiredo em ação (Divulgação)
Foto: Lance!

- É um sonho realizado, é o teatro dos sonhos. Primeiro sul-americano a pisar no Crucible. Não tenho como expressar tamanha felicidade. Vou ter a oportunidade de poder abrir mais portas para o crescimento do esporte não só no Brasil, mas em todas as Américas, podendo incentivar jovens e atrair suporte para o desenvolvimento da modalidade. Quem sabe, com mais essa conquista, eu consiga fazer no snooker o que o Guga fez no tênis. Esse é o meu sonho, incentivar novos jovens e promover a renovação - celebra.

Campeão mundial amador em 2019, Igor Figueiredo já havia conquistado o direito de disputar o mundial sênior no Crucible Theatre, mas por também ter conseguido vaga para disputar o mundial profissional, foi impedido de competir entre os seniores. Entretanto, como o heptacampeão mundial Stephen Hendry saiu da aposentadoria este ano para voltar a jogar tanto entre os profissionais quanto entre os seniores, a entidade decidiu retirar a restrição do brasileiro, que entra na competição por ser o atual campeão pan-americano.

- A expectativa é ótima. Tenho condições de vencer como qualquer outro que está ali, mesmo tendo o Stephen Hendry, que é sete vezes campeão mundial; o Jimmy White, que é o atual campeão; e o Ken Doherty, que também é campeão mundial. Tenho plenas condições de me colocar bem. Claro que todos são profissionais ou ex-profissionais na ativa, mas eu vou continuar o trabalho duro que venho realizando, pois acredito que as possibilidades de conquistar o título são imensas - destaca.

A autorização para disputar o mundial sênior no Crucible Theatre aconteceu dias depois de Igor Figueiredo bater na trave na possibilidade de integrar a lista dos 32 atletas que disputam a fase final do Campeonato Mundial profissional no templo do snooker. Na última quarta-feira, o brasileiro foi derrotado em um suado 10 a 7 no jogo que lhe colocaria entre os desafiantes. Apesar do favoritismo contra o 46º colocado do ranking, ele admite que sentiu a pressão por depender do resultado.

- Entrei muito bem, mas tive falhas cruciais que mudaram todo o histórico do jogo. Eu criei o monstro que meu adversário se tornou durante o jogo, a confiança dele cresceu e quando eu tentei buscar, a diferença já era muito grande. É um peso muito grande que eu carrego, porque é um sonho em jogo. Tem a falta de patrocínio, então cada jogada é uma sobrecarga muito grande, porque o resultado pode influenciar não só na minha carreira, mas também em todo o futuro do esporte no Brasil.

Destaque da modalidade no Brasil

Embora Walfrido Rodrigues dos Santos, mais conhecido como "Carne Frita", Ruy Chapéu e Roberto Carlos de Oliveira sejam figuras folclóricas da sinuca brasileira, foi Igor Figueiredo quem mudou o patamar da modalidade no país, graças a seus resultados expressivos em competições internacionais. Presidente da CBBS, Pedro Rolim destacou o papel do campeão brasileiro, pan-americano e mundial em parceria com a entidade para o desenvolvimento do esporte no Brasil.

- A sinuca é considerada esporte no Brasil desde 1988, mas o Igor Figueiredo foi o primeiro atleta profissional da modalidade no país. Quando assumi a CBBS, por volta de 2011, vi a oportunidade de apoiá-lo para abrir as portas para o Brasil no exterior. Hoje é comum ver atletas brasileiros participarem de competições de entidades internacionais, mas isso só foi possível graças ao trabalho da CBBS, que, além de ter acreditado no Igor, também trabalhou no desenvolvimento da modalidade no país promovendo o campeonato brasileiro de snooker, seguindo todos os padrões internacionais, com panos strachan, bolas aramith 52mm e com as regras utilizadas mundo afora - diz o presidente.

Nos últimos anos a CBBS levou mais de 60 atletas brasileiros para competirem em mais de 25 países, colocou pelo menos três brasileiros entre os oito primeiros colocados nas últimas duas edições do Pan-Americano e fez mais um campeão na competição continental além de Igor Figueiredo, o pernambucano Itaro Santos, em 2015. Apesar disso, a entidade ainda sofre com a falta de apoio, tendo, atualmente, apenas um patrocinador.

- A gente busca fazer o nosso melhor e incentivar o desenvolvimento do esporte. Mesmo sem recursos estamos conquistando resultados históricos. Temos ciência de que ainda engatinhamos nesse esporte se comparados às potências mundiais como países da Ásia e Europa, que seguem o mesmo padrão há 50 anos. Hoje só contamos com o apoio das federações estaduais filiadas e da fábrica de mesas Jocari, que aceitou o desafio de desenvolver mesas de snooker seguindo os padrões internacionais. Podemos não ter dinheiro, mas temos sempre uma arena bem montada graças à parceria com a Jocari.

Lance!
Publicidade
Publicidade