PUBLICIDADE

Jogos de Paris

Nike aposta em Jogos Olímpicos para recuperar participação no mercado

11 abr 2024 - 09h24
Compartilhar
Exibir comentários

A Nike revelou os kits olímpicos para as equipes que patrocina nesta quinta-feira com a participação de atletas como o maratonista queniano Eliud Kipchoge e a velocista britânica Dina Asher-Smith, apostando que grandes atletas podem ajudar a empresa a conquistar mais consumidores.

Após um longo período de vendas decepcionantes, os Jogos Olímpicos de Paris oferecem uma nova chance para a Nike direcionar a atenção do mundo para seus produtos de desempenho, como o tênis de maratona Alphafly 3, vendido a 285 dólares.

Além de equipar os atletas norte-americanos em todos os esportes, a Nike fornecerá uniformes para as equipes de atletismo de Canadá, China, Quênia, Alemanha e Uganda, basquete para China, França, Japão e Espanha, e atletas de breaking da Coreia.

Os tênis de ponta que a Nike destacará na Olimpíada atendem a um público relativamente limitado, mas a meta mais ampla da empresa é vender mais tênis de corrida de nível básico e médio e, nesta quinta-feira, ela promoveu sua linha de tênis Pegasus, que é vendida entre 130 e 160 dólares.

A Nike destacou sua tecnologia de amortecimento "Air", usada em tudo, desde tênis de maratona até calçados comuns, e seus materiais de malha que tornam os tênis mais leves.

"O que aprendemos com nossos melhores atletas, 10% dos atletas com os quais trabalhamos, é que há uma multiplicação na inovação porque estamos focados em garantir que nossas inovações funcionem em todos os formatos de corpo, velocidades e estilos de corrida", disse Matt Nurse, vice-presidente do laboratório de inovação esportiva da Nike, à Reuters em uma entrevista.

Marcas como On Running, Hoka e Lululemon estão tirando participação de mercado da Nike, à medida que a tendência de abandonar os tênis de basquete volumosos e a opção por tênis de perfil baixo, como o Adidas Samba, também estão prejudicando a gigante do material esportivo.

"Definitivamente, há mais concorrência... é bom saber o que os consumidores estão pensando e respondendo - acho que a concorrência sempre nos torna melhores", disse Nurse.

A Nike alertou há três semanas que sua receita na primeira metade do ano fiscal de 2025 diminuirá e disse que reduzirá os pedidos de calçados consagrados, como o Air Force 1, enquanto tenta se concentrar em produtos novos e inovadores.

Embora a Nike, com receita anual de 51,2 bilhões de dólares no ano até 31 de maio de 2023, seja muito maior do que a Adidas e a Lululemon, os analistas do HSBC esperam que seu crescimento anual de venda generalizada fique atrás dessas marcas em 2024, 2025 e 2026.

A perspectiva de os atletas olímpicos quebrarem recordes com equipamentos da Nike pode ajudar a atrair mais consumidores para a marca.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade