PUBLICIDADE

Isaquias domina prova e avança à final do C1 1000m em Tóquio

Brasileiro se garante na decisão das medalhas da canoagem velocidade com a primeira posição em bateria e também com o melhor tempo no geral

6 ago 2021 22h08
| atualizado às 22h43
ver comentários
Publicidade

Grande esperança de medalha para o Brasil na canoagem velocidade, Isaquias Queiroz disputará a final do C1 1000m nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Nesta sexta-feira, o atleta terminou a sua bateria da semifinal na primeira posição, com o tempo de 4min05s579 , e garantiu vaga na grande decisão pelo pódio.

Isaquias Queiroz rema na semifinal na qual terminou como líder e avançou à decisão por medalhas
Isaquias Queiroz rema na semifinal na qual terminou como líder e avançou à decisão por medalhas
Foto: Alkis Konstantinidis/Reuters

Depois de uma largada muito equilibrada, Isaquias assumiu a dianteira de sua prova na marca dos 200m. A partir da metade do trajeto, o brasileiro disparou na liderança, terminando na primeira colocação sem sustos.

Além de Isaquias, avançaram na bateria para a final o moldávio Serghei Tarnovischi, com o tempo de 4min06s635, o alemão Conrad Scheibner (4min08s503) e o chinês Zheng Pegfei (4min09s139).

A final do C1 1000m acontecerá ainda nesta sexta-feira, às 23h53 (de Brasília). No Rio de Janeiro, em 2016, o brasileiro conquistou a medalha de prata nesta modalidade da canoagem velocidade.

O baiano, assim como fez nas quartas de final, sobrou na semifinal e garantiu vaga na decisão com sobras. Na quinta-feira, o brasileiro já havia demonstrado todo o seu preparo e foco em busca de mais uma medalha olímpica. Isaquias completou as quartas de final com larga superioridade em relação aos seus adversários. Com isso, ele garantiu um descanso no mesmo dia, afinal, os dois primeiros colocados de cada bateria avançariam imediatamente à semifinal.

O brasileiro Jacky Godmann, companheiro de Isaquias na C2, não conseguiu a mesma proeza do conterrâneo. Ele disputou sua quarta de final e, em seguida, uma repescagem. Infelizmente, não conseguiu permanecer no pelotão de frente.

Favorito à medalha de ouro até agora, Isaquias quer continuar fazendo história defendendo o Brasil em Olimpíadas. Ele é o único atleta do País a conquistar três pódios em uma só edição dos Jogos. No Rio de Janeiro, em 2016, ele faturou duas pratas (C1 e C2 1000m) e uma bronze (C1 200m). (com informações do Estadão Conteúdo)

Estadão
Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade