PUBLICIDADE

Provas indicam participação "bem mais relevante" de Nuzman

5 out 2017 09h07
| atualizado às 09h12
ver comentários
Publicidade

Novas provas apresentadas pelos investigadores indicam participação "bem mais relevante" do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, no esquema de compra de votos para escolha do Rio de Janeiro como sede da Olimpíada de 2016, afirmou o juiz Marcelo Bretas no despacho em que decretou a prisão do dirigente nesta quinta-feira.

Presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, na sede da Polícia Federal, no Rio de Janeiro 05/09/2017 REUTERS/Ricardo Moraes
Presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, na sede da Polícia Federal, no Rio de Janeiro 05/09/2017 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Nuzman, que foi preso pela PF em sua casa em um bairro de luxo do Rio nesta manhã, aparentemente atuou "direta e ativamente em negociação espúria" para que membros do Comitê Olímpico Internacional escolhessem a cidade brasileira para sediar a Olimpíada, segundo o magistrado.

Além disso, o dirigente mantinha recursos ocultos no exterior e só os declarou à Receita Federal após deflagração da operação Unfair Play, incluindo 16 barras de ouro de 1 quilo cada depositadas na Suíça, acrescentou o juiz em seu despacho.

Rio teria comprado voto em eleição olímpica com propina:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade