PUBLICIDADE

Casares desiste da disputa por Borré: "Não faremos loucura"

São Paulo não tem condições financeiras para contratar o atacante do River Plate

23 mar 2021 06h14
| atualizado às 12h05
ver comentários
Publicidade

Rafael Santos Borré é um dos nomes mais comentados do mercado da bola em 2021. Depois do Palmeiras cair fora da disputa pelo atacante do River Plate, foi a vez do presidente Julio Casares garantir que o São Paulo não tem condições financeiras de contratar o jogador de 25 anos.

Borré é destaque do River Plate nos últimos anos
Borré é destaque do River Plate nos últimos anos
Foto: Fernando Roberto/Uai Foto / Estadão Conteúdo

Em entrevista ao SporTV, o mandatário do clube tricolor elogiou Borré, mas garantiu que a negociação pelo atacante não caberia no orçamento do São Paulo. Casares destacou que o clube do Morumbi tem buscado reforços que não estejam vinculados a outros times.

"O Borré é um grande talento do futebol internacional. Claro que o São Paulo está sempre olhando para as condições de negócio, mas elas precisam ser reais, não vou iludir o torcedor. Se o São Paulo um dia tiver um fundo, com a ajuda de empresários, pode prosseguir. Tirar do orçamento um investimento do tamanho de Borré, o São Paulo não fará. O São Paulo continuará com a política de contratações responsáveis, desistimos daquelas que não podemos fazer de forma transparente", afirmou Casares.

"Nós não faremos loucura com reforços. As outras contratações que fizemos são profissionais que atendem esse quesito de não terem uma aquisição, a negociação é direta com o atleta, envolvendo luvas e salários. Também há mecanismos de produtividade a partir de atuações, para que tenham a reforma do contrato", completou.

Kanu e Gabriel Neves

Casares também comentou sobre as negociações com o zagueiro Kanu e o volante Gabriel Neves, que não tiveram um desfecho positivo. Nos dois casos, o São Paulo chegou a um limite financeiro, respeitando o orçamento do clube para a temporada.

"Responsabilidade financeira é uma palavra chave em nossa gestão. Vou dar um exemplo: o Kanu, jovem zagueiro do Botafogo, estava nos nossos planos, é muito bom e promissor. Nós fizemos todos os esforços para que tivéssemos o Kanu conosco. Entretanto, nós temos uma dívida já transitada e julgada com o Botafogo, e não tinha sentido adquirirmos o jogador sem o abatimento dessa dívida. O Botafogo insistiu nessa posição e encerramos o negócio", disse Casares.

"A mesma coisa aconteceu com o Gabriel Neves, um segundo volante que sai para o jogo, do Nacional. Nós chegamos ao nosso limite de responsabilidade orçamentária. Chegou para a gente situações de interesse de outros clubes, inclusive o presidente do Internacional, que é meu amigo, disse que não fez proposta. Então, nós encerramos a negociação", finalizou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade