PUBLICIDADE

Fluminense pode ficar de fora do Mundial por causa de crise política na CBF

Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero estariam minando o poder de Ednaldo Rodrigues no comando da entidade

7 dez 2023 - 17h28
(atualizado às 18h34)
Compartilhar
Exibir comentários
Breno Lopes comemora o gol do Palmeiras contra o Fluminense
Breno Lopes comemora o gol do Palmeiras contra o Fluminense
Foto: Werther Santana / Estadão / Estadão

A Fifa enviou um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), alertando que a entidade corre o risco de suspensão caso o presidente Ednaldo Rodrigues seja afastado do cargo "por influência indevida de terceiros". Uma das primeiras consequências imediatas pode ser a exclusão do Fluminense do Mundial de Clubes, marcado para este mês na Arábia Saudita. 

A razão para isso é que uma das possíveis penalidades envolve a suspensão da CBF pela Fifa, o que se estenderia aos clubes brasileiros filiados.

Recentemente, uma sequência de ações estariam sendo destinadas a minar a autoridade de Ednaldo Rodrigues. A iniciativa estaria sendo conduzida por Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, ex-presidentes da CBF. Teixeira recebeu uma banição vitalícia do futebol por parte da Fifa, enquanto Del Nero foi sancionado com uma suspensão de 20 anos, com seu afastamento programado até 2037.

A Fifa não permite qualquer interferência externa nas decisões e na administração das confederações. O receio da entidade máxima do futebol surge em virtude de um processo que foi julgado nesta quinta-feira, 7, pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

O TJ-RJ decidiu por destituir Ednaldo Rodrigues da presidência da CBF, além de determinar a designação de um interventor para a entidade. O escolhido pelo TJ-RJ foi José Perdiz, presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Há questionamentos sobre a validade do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre a CBF, representada por Ednaldo Rodrigues, e o Ministério Público do Rio de Janeiro. Esse acordo resultou na modificação do estatuto da CBF, igualando o peso dos votos dos clubes das séries A e B. Essa alteração levou à anulação da eleição que escolheu Rogério Caboclo, uma nova eleição foi marcada, e Ednaldo foi eleito.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade