PUBLICIDADE

Arthur Cabral marca e Palmeiras empata com o Novorizontino

Atacante entra e evita a derrota palmeirense nas quartas do Paulista, em dia que VAR foi utilizado pela primeira vez

23 mar 2019
19h08 atualizado às 19h16
0comentários
19h08 atualizado às 19h16
Publicidade

Um pênalti defendido por Fernando Prass e o gol do estreante e candidato a xodó da torcida, Arthur Cabral, tudo isso em nove minutos,  fizeram com que o Palmeiras voltasse para São Paulo com um empate por 1 a 1 com o Novorizontino, no primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Paulista, resultado considerado bom, pelo que foi a partida. O jogo da volta acontece na próxima terça-feira, no Pacaembu. 

O confronto teve um caráter histórico. Foi o primeiro jogo do Campeonato Paulista em que o VAR esteve à disposição da arbitragem. O árbitro Raphael Claus teve como auxiliares Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira. E Thiago Duarte Peixoto, que apitou São Paulo x Palmeiras na semana passada, era o árbitro de vídeo, tendo Fabrício Porfirio de Moura e Marcio Henrique de Gois como auxiliares.

Novo Horizontino e Palmeiras empataram em 1 a 1 pelo jogo de ida das quartas de final do Paulistão 2019
Novo Horizontino e Palmeiras empataram em 1 a 1 pelo jogo de ida das quartas de final do Paulistão 2019
Foto: THIAGO CALIL/Agif / Gazeta Press

A nova tecnologia entrou em ação aos 9 minutos do segundo tempo, quando a arbitragem não viu Antônio Carlos cortar um cruzamento de Danielzinho com a mão, mas o vídeo "entregou" o palmeirense e a arbitragem marcou pênalti, não convertido pelo Novo Horizontino. 

Com a bola rolando, o Palmeiras resolveu assumir as rédeas do jogo, com uma certa cautela. Teve mais a bola no pé, tocava de lado e, para desespero do técnico Luiz Felipe Scolari - que completou 100 jogos no estadual em Novo Horizonte -, insistia em tocar para trás, sem demonstrar ofensividade. 

Nas raras oportunidades que conseguia chegar ao gol do time da casa, dava azar da bola para o colombiano Borja, que aumentou sua sequência de jogos ruins e mais uma vez foi vaiado pelos palmeirenses. Já o Novorizontino demonstrava uma vontade e confiança que contrastava com o lado verde. 

E como prêmio, a equipe de Novo Horizonte abriu o placar, aos 38 minutos. Antônio Carlos tentou sair jogando, chutou em cima do Murilo Henrique, que partiu em velocidade e chutou. Prass rebateu para o meio da área e Cléo Silva só teve o trabalho de mandar para as redes. Os palmeirenses reclamaram de um toque de mão no começo da jogada, mas a arbitragem mandou seguir. De fato, o VAR poderia ter sido utilizado. 

Cléo Silva, jogador do Novorizontino, comemora seu gol durante a primeira partida contra o Palmeiras
Cléo Silva, jogador do Novorizontino, comemora seu gol durante a primeira partida contra o Palmeiras
Foto: FERNANDO CALZZANI/Photopress / Gazeta Press

No intervalo, Felipão perdeu a paciência com Borja e Scarpa, tirou a dupla e colocou Felipe Pires e Arthur Cabral. A alteração deu maior movimentação ao Palmeiras e a equipe demonstrou maior organização no ataque. 

Aos 9 minutos, o VAR foi usado para a marcação de uma penalidade favorável ao Novorizontino. Murilo Henrique cobrou, aos 12, e Fernando Prass defendeu, mudando totalmente a história do jogo. O lance parece ter acordado o Palmeiras. 

O susto fez a equipe alviverde partir para o ataque até que aos 21, Marcos Rocha cruzou rasteiro, Felipe Pires furou o chute e deixou a bola para Arthur Cabral chutar e marcar seu primeiro gol pelo Palmeiras logo em sua estreia. E a partir daí a pressão alviverde durou até o apito final, mas faltou o gol. No fim, o empate acabou saindo como um bom negócio para os comandados de Felipão. 

Arthur Cabral, jogador do Palmeiras, comemora seu gol durante a primeira partida contra o Novorizontino
Arthur Cabral, jogador do Palmeiras, comemora seu gol durante a primeira partida contra o Novorizontino
Foto: THIAGO CALIL/Agif/ / Gazeta Press

FICHA TÉCNICA

Novorizontino: Oliveira; Lucas Ramon (Dudu Vieira), Everton Sena, Edson Silva e Paulinho; Jean Patrick, Adilson Goiano, Danielzinho e Murilo Henrique (Carlinhos); Felipe Marques (Elvinho) e Cléo Silva. 

Técnico: Roberto Fonseca. 

Palmeiras: Fernando Prass; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Bruno Henrique, Felipe Melo e Ricardo Goulart (Lucas Lima); Gustavo Scarpa (Felipe Pires), Dudu e Borja (Arthur Cabral). 

Técnico: Luiz Felipe Scolari. 

Gols: Cléo Silva, aos 38 minutos do 1º Tempo; e Arthur Cabral, aos 21 minutos do 2º Tempo. 

Juiz: Raphael Claus. 

Amarelo: Danielzinho. 

Público: 4.014 pagantes. 

Renda: R$ 238.210,00

Local: Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte. 

Veja também:

Estadão
Publicidade
Publicidade