PUBLICIDADE

Valcke lembra polêmicas e diz: Romário não me daria cidadania brasileira

10 dez 2013 - 10h29
(atualizado às 11h03)
Ver comentários
Publicidade
<p>Valcke tem vivido dias atribulados como parte ativa na organização da Copa do Mundo de 2014</p>
Valcke tem vivido dias atribulados como parte ativa na organização da Copa do Mundo de 2014
Foto: AFP

As recorrentes polêmicas envolvendo a Fifa e a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, desgastaram a imagem do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. Em entrevista nesta terça-feira no Marrocos, antes da realização do Mundial de Clubes, o funcionário da entidade máxima do futebol foi sincero ao responder se já se considera um “cidadão brasileiro”.

“Estou certo de que não sou um cidadão brasileiro, mas sul-africano sim”, disse o francês Valcke, em referência à Copa de 2010 realizada na África do Sul. “E não creio que o Brasil também me dará a cidadania depois da Copa do Mundo. Pelo menos não o Romário”, acrescentou.

Valcke entrou em conflito com algumas personalidades brasileiras, especialmente em 2011, quando declarou que as autoridades do País precisariam “receber um chute no traseiro” para que as obras de estádios e infraestrutura fossem aceleradas. A declaração causou uma saia bastante justa com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Após algum tempo, a situação foi contornada.

Quanto a Romário, porém, a situação é diferente. O ex-atacante, hoje deputado federal, não economiza ataques a Valcke, especialmente em postagens em sua conta no Twitter. O próprio político declarou recentemente que não confiaria no secretário-geral da Fifa “nem para ir à padaria da esquina comprar pão e leite”.

Valcke esteve na última semana no Brasil para o sorteio das chaves para a Copa do Mundo. O secretário ficou longe das polêmicas, mas nem assim escapou das machetes. Na última segunda, um vídeo circulou na internet insinuando sorteio dirigido na Costa do Sauípe, no qual Valcke seria o principal ator. O dirigente se irritou com a acusação.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade