PUBLICIDADE

Goleiro da Suécia em 1994 revela decepção por gol de Romário

5 jun 2014 14h50
| atualizado em 8/1/2015 às 21h51
ver comentários
Publicidade
Thomas Ravelli perdeu duas vezes o duelo com Romário na Copa de 1994
Thomas Ravelli perdeu duas vezes o duelo com Romário na Copa de 1994
Foto: AP

O Brasil dominou a semifinal da Copa do Mundo de 1994 contra a Suécia, mas teve dificuldades em furar a marcação da equipe escandinava. Somente aos 35min do segundo tempo, Romário apareceu entre a defesa sueca e desviou de cabeça o cruzamento preciso feito por Jorginho pela direita. Um gol decepcionante para o goleiro Thomas Ravelli. 

"Nós nunca pensamos que levaríamos um gol como aquele", afirma o arqueiro da Suécia na Copa de 1994 em conversa com o Terra. "Mas o resultado foi justo, o Brasil foi bem melhor que nós", completa.

Um dos três principais goleiros daquele Mundial junto ao brasileiro Taffarel e ao belga Michel Preud'homme, Ravelli era um dos destaques de sua equipe. Antes da semifinal, a Suécia havia empatado com o Brasil na fase de grupos e eliminado nas quartas de final a badalada Romênia de Gheorghe Hagi em decisão nos pênaltis em que brilhou a estrela de Ravelli. Na disputa pelo terceiro lugar, a equipe da Escandinávia ainda goleou por 4 a 0 a Bulgária de Hristo Stoichkov.

Ravelli foi um dos melhores goleiros da Copa de 1994
Ravelli foi um dos melhores goleiros da Copa de 1994
Foto: Getty Images

"Nosso objetivo (ao entrar na Copa) era só de ir além da primeira fase. As expectativas entre nós, vindas da imprensa e dos torcedores eram muito baixas", lembra. Ravelli foi fundamental para que a Suécia chegasse à semifinal, já que defendeu pênaltis de Petrescu e Belodedici na disputa com a Romênia.

Para o goleiro, o único jeito de superar a Seleção na luta pela final seria por meio de novas cobranças da marca da cal. "Minha ideia era essa, o único jeito para superar o Brasil seria pelos pênaltis", concorda o sueco, que ficou marcado também por brincar com as câmeras de transmissão ao fazer caretas e andar com pequenos pulos. "Eu me diverti muito e tinha muita autoconfiança. Meu andar engraçado era algo que fiz espontaneamente", conta.

Aposentado do futebol desde 1999, Ravelli já trabalhou com palestras e como preparador de goleiros, além de ter com seu irmão Andreas uma grife de roupas. Para a Copa de 2014, assistirá somente outras equipes, já que a seleção sueca caiu para Portugal na repescagem. De fora dos gramados, o ex-goleiro acredita que a equipe nacional precisa melhorar seu sistema de marcação. "O principal problema atualmente é a defesa. Nós temos vários bons jogadores que podem fazer gols, mas nós temos problemas com nossos volantes de marcação", opina.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade