PUBLICIDADE

Ex-jogador do Grêmio critica Renato Gaúcho e relembra dia a dia com o treinador: 'Zero trabalho'

Volante Souza disse ainda que Renato perseguiu Zé Roberto no Imortal

24 jun 2022 - 15h25
(atualizado às 19h15)
Ver comentários
Publicidade

O volante Souza, hoje no Besiktas (Turquia), fez críticas ao técnico Renato Gaúcho, atualmente sem clube. Em entrevista ao "Charla Podcast", o jogador lembrou dos tempos em que trabalhou com o treinador no Grêmio, em 2013 e revelou como era o dia a dia.

Renato Gaúcho à beira do campo quando era treinador do Grêmio. Técnico foi alvo de críticas (AFP)
Renato Gaúcho à beira do campo quando era treinador do Grêmio. Técnico foi alvo de críticas (AFP)
Foto: Lance!

- Zero trabalho, zero... Resenha. As pessoas falam "mas dá resultado". Depende... Uma coisa que o Pep Guardiola falou, e eu valorizo muito, é que para ele é muito mais válido ganhar uma liga do que uma copa. Renato ganhou muita copa no Grêmio, mas vê o que que ele fez no Campeonato Brasileiro? Nunca fez nada - avaliou Souza.

O volante disse ainda que os treinos no Grêmio eram comandados pelo auxiliar técnico de Renato, Alexandre Mendes.

- Jogador de verdade gosta de trabalhar. Tem que trabalhar. Não tem como ficar de comodismo, da resenha de ficar na praia enquanto outros estudam. Não tem espaço para isso mais. Você vê o resultado que teve no Flamengo - disse.

Souza afirmou também que Renato perseguia Zé Roberto no Grêmio. Segundo ele, Renato implicava com o agora ex-jogador, inclusive acabando com uma reunião dos atletas evangélicos na concentração.

- Eu fiquei muito chateado com uma questão extracampo dele. Ele (Renato), de alguma forma, estava querendo afetar o Zé (Roberto), que sempre teve muita moral no Grêmio. Ele (Renato) queria ser o cara da parada. Ele ficava com aquela implicância. Por Zé ser cristão também, a gente fazia reunião na concentração. Eu pregava, Zé pregava... Ele ficou sabendo e mandou acabar com a nossa reunião. "Jogador tem que ficar concentrado no jogo". Migué! Eu disse: "Não concordo". Ele falou que cada um tem sua religião. Não gostei muito dessas atitudes dele. Dentro do campo a gente não via muito trabalho - relatou.

Lance!
Publicidade
Publicidade