0

Aos 31 anos, César Cielo cogita aposentadoria no fim de 2018

Nadador brasileiro afirmou que não pensa em disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio

8 ago 2018
15h40
atualizado às 19h32
  • separator
  • comentários

A carreira de César Augusto Cielo Filho, principal nadador da história do Brasil, pode estar na reta final. Aos 31 anos de idade, o atleta planeja disputar o Mundial de Piscina Curta de Hangzhou, mas cogita a possibilidade de encerrar sua trajetória no fim de 2018 e, agora, não pensa nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

"Estou levando temporada a temporada. Hoje, para ser bem sincero, não me vejo em 2020. Não faz parte dos meus objetivos na água. Mas estabeleci que, se conseguir um bom resultado nesse ano e meu corpo permitir, vou para mais uma temporada. Então, com relação a 2020, zero promessas", afirmou o atleta na tarde desta quarta-feira (8), na sede do Esporte Clube Pinheiros.

Entre os dias 24 e 28 de agosto, em busca da classificação para o Mundial de Hangzhou, César Cielo participa do Troféu José Finkel. Após o torneio sediado na China, marcado para dezembro, o nadador tomará uma decisão sobre a própria trajetória.

César Cielo já pensa na aposentadoria
César Cielo já pensa na aposentadoria
Foto: Werther Santana / Estadão

"Enquanto estiver na piscina, vou dar meus 120%. Só não sei até quando vai durar. A natação vem passando por um momento muito ruim e sei que os ex-atletas vão precisar ajudar. Sinto que minha hora de fazer isso está chegando, mas, a princípio, o objetivo desse ano é o Mundial", explicou, sem associar a eventual continuidade apenas aos resultados.

"Não seria o mais inteligente da minha parte. É mais a questão do dia a dia, da rotina. Se eu sentir que os treinos ainda estão legais, que meu corpo está suportando e que sigo em evolução, não vejo motivo para não continuar no ano que vem. Os resultados podem ajudar ou não nisso", ponderou.

César Cielo conquistou três medalhas olímpicas e seis títulos mundiais em piscina longa. Atualmente, concilia a rotina de treinamentos com a vida de sócio em uma empresa que fabrica produtos voltados à natação, algo que diminui suas chances de sucesso dentro d'água.

"Hoje, não estou me dedicando como já me dediquei. Entre as responsabilidades dentro e fora da piscina, nunca estive tão dividido. Tenho minhas expectativas de uma forma diferente, mas vejo que estar na piscina e fazer parte do grupo, de certa fora, ainda é importante. Quero ajudar para que a transição entre gerações seja harmoniosa", disse.

Veja também:

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • comentários
publicidade