PUBLICIDADE

No duelo Vojvoda x Luxa, o técnico argentino é melhor; Yuri Alberto, acredite se quiser, tem boa atuação

Fortaleza mostra mais padrão mesmo com posse de bola menor; Corinthians precisa ser superior ao adversário no Castelão, na partida de volta

27 set 2023 - 03h13
(atualizado às 03h54)
Compartilhar
Exibir comentários
Vanderlei Luxemburgo faz bom trabalho no Corinthians, mas Vojvoda se mostra melhor na estratégia no jogo de ida das semifinais da Sul-Americana
Vanderlei Luxemburgo faz bom trabalho no Corinthians, mas Vojvoda se mostra melhor na estratégia no jogo de ida das semifinais da Sul-Americana
Foto: Esporte News Mundo

O técnico argentino Juan Pablo Vojvoda conseguiu armar muito bem o time cearense, primeiro nordestino na fase semifinal da Sul-Americana, defensiva e ofensivamente para arrancar o empate em Itaquera. Em vários momentos, aliás, o Leão do Pici se mostrou dominante na partida. O Fortaleza saiu na frente com Zé Welison, mas o péssimo Esteban Daniel Ostojich ‘notou’ falta em Fábio Santos. Ainda bem para a justiça do futebol que o VAR fez a correção do equívoco do árbitro uruguaio e deu o gol.

Em casa, com a presença de 42.196 pagantes, o Corinthians contou, de novo, com o talento do veterano Renato Augusto, que acertou bonito passe para o tão criticado Yuri Alberto. Belo gol. Empate e esperança para o Timão. Mesmo sendo o artilheiro de poucos gols, dois na Sul-Americana e com apenas 12 na temporada, Yuri jogou bem na partida de ida da semifinal da competição.

O argentino Juan Pablo Vojvoda dá padrão elevado de jogo ao Fortaleza, o Tricolor cearense
O argentino Juan Pablo Vojvoda dá padrão elevado de jogo ao Fortaleza, o Tricolor cearense
Foto: Esporte News Mundo

Quem foi melhor?

O time comandado por Vojvoda, de 48 anos, mostrou mais padrão de jogo do que a equipe do professor (não consigo escrever nem brincando ‘pofexô’…acabei de fazer isso, enfim, que vergonha) Vanderlei Luxemburgo, de 71 anos.

Os números envolvendo a posse de bola podem enganar os desavisados (ou idiotas da objetividade como diria Nelson Rodrigues): Corinthians 60% x 40% Fortaleza. No entanto, os visitantes jogaram melhor. Com Caio Alexandre, que estava suspenso nas quartas-de-final da competição contra o América-MG, desfilando no gramado a habitual competência na armação de jogadas e na marcação, o Tricolor cearense tinha mais controle no setor de meio-campo.

Na segunda etapa, a partida ficou mais disputada, porém, o Fortaleza continuou mais perigoso e teve boas chances de triunfar na casa do adversário paulista. O empate foi lucro para Vanderlei Luxemburgo.

Os dois times voltam a se enfrentar na terça-feira, dia 3, na Arena Castelão. Quem vencer, e o Fortaleza mostra certo favoritismo, decidirá o título da Conmebol Sul-Americana contra Defensa y Justicia, da Argentina, ou LDU, do Equador.

Números dos ‘professores’:

Vanderlei Luxemburgo pelo Corinthians em 2023: 38 partidas, 14 vitórias, 12 empates, 12 derrotas, 42 gols marcados e 40 gols sofridos (uma peneira).

Juan Pablo Vojvoda em 2023: 62 jogos, 36 vitórias, 10 empates e 16 derrotas, 110 gols marcados e 55 sofridos.

Campanhas na Sul-Americana:

Fase de grupos:

Grupo H:

Fortaleza 4 x 0 Palestino

San Lorenzo 0 x 2 Fortaleza

Fortaleza 6 x 1 Estudiantes de Mérida

Fortaleza 3 x 2 San Lorenzo

Estudiantes de Mérida 1 x 0 Fortaleza

Palestino 1 x 2 Fortaleza

(1º do grupo)

Play-offs:

Corinthians 1 x 0 Universitário-PERU

Universitário-PERU 1 x 2 Corinthians

(Fortaleza se classificou direto para as oitavas-de-final, com 5 vitórias e uma derrota)

Oitavas-de-final:

Corinthians 2 x 1 Newell’s Old Boys

Newell’s Old Boys 0 x 0 Corinthians

Libertad 0 x 1 Fortaleza

Fortaleza 1 x 1 Libertad

Quartas-de-final:

Corinthians 1 x 0 Estudiantes

Estudiantes 1 x 0 Corinthians (Timão venceu nos pênaltis por 3 a 2)

América-MG 1 x 3 Fortaleza

Fortaleza 2 x 1 América-MG

Semifinal:

Corinthians 1 x 1 Fortaleza

Abraços boleiros e sul-americanos.

Fonte: PV Ferreira PV Ferreira é editor e jornalista esportivo com experiência em coberturas do futebol brasileiro, sul-americano e europeu, além das modalidades olímpicas e paralímpicas. As visões do colunista não representam a visão do Terra.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade