0
Logo do Seleção Brasileira
Foto: terra

Seleção Brasileira

Seleção Brasileira

Marin adia resposta sobre caso Lusa: "falamos na Áustria"

Daniel Ramalho / Terra
12 nov 2014
14h06
atualizado às 14h06
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Na Turquia para acompanhar o amistoso da Seleção Brasileira diante do selecionado local nesta quarta-feira, em Istambul, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, se pronunciou pela primeira vez a respeito das novidades divulgadas nesta terça-feira por O Estado de S. Paulo sobre o polêmico rebaixamento da Portuguesa para a Série B do Campeonato Brasileiro no ano passado. A publicação informou que o Ministério Público concluiu que a equipe paulista recebeu dinheiro para escalar o meia Héverton de maneira irregular propositalmente na última rodada da competição nacional - o que provocou a queda rubro-verda para a segunda divisão.

Como já era esperado, Marin adiou qualquer declaração mais comprometedora sobre o caso. “Falamos na Áustria”, limitou-se a responder o mandatário, antes de repetir a mesma frase poucos segundos depois: “falamos na Áustria”. A Áustria à que o presidente da CBF se refere é o próximo país a ser visitado pela Seleção Brasileira, que nesta quarta enfrenta a Turquia em Istambul, e, depois, na próxima terça-feira, duela diante do selecionado austríaco em Viena.

Mais cedo, porém, o futuro presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, falou sobre o polêmico caso envolvendo a Portuguesa e a última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013. Cauteloso, o dirigente admitiu a O Estado de S. Paulo que ficou sabendo do caso “pelo jornal” e que “precisa ver o que está no inquérito”. Ainda de acordo com a publicação, ele disse que precisa saber “exatamente do que se trata” a informação veiculada pelo diário e perguntou: “se o caso foi vendido, quem é que comprou?".

Esta pergunta, segundo O Estado de S. Paulo, é a mesma que vem sendo feita pelo Ministério Público na fase final do inquérito. Na noite desta terça-feira, o jornal publicou que as investigações do MP concluem que funcionários da Portuguesa teriam sido pagos para que o meia Héverton fosse escalado irregularmente na última rodada da edição do ano passado do Campeonato Brasileiro, no empate por 0 a 0 com o Grêmio, no Canindé. Expulso diante do Bahia na 36ª rodada, o jogador cumpriu suspensão automática contra a Ponte Preta no jogo seguinte, mas deveria ter sido desfalque também contra os gremistas por ter sido punido com dois jogos de suspensão.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade