0

"Mais potência, melhor pacote": Norris se empolga com motor Mercedes na McLaren

Lando Norris está bastante empolgado com a chegada do motor Mercedes a McLaren e aposta em melhora em relação às unidades de potência cedidas pela Renault até 2020

20 jan 2021
04h33
atualizado às 07h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Será a chance de Norris passar Sainz no campeonato?
Será a chance de Norris passar Sainz no campeonato?
Foto: McLaren / Grande Prêmio

Em setembro de 2019, a McLaren informou que retomaria parceria histórica (e campeã) com a Mercedes, voltando a utilizar motores cedidos pela marca. Agora, chegou a hora da reunião: ela começa em 2021, e Lando Norris, um dos pilotos da equipe laranja, mostra empolgação com a novidade.

Para o britânico, "no geral é um melhor pacote, com mais potência", disse em entrevista à revista Autosport. A McLaren encerrou parceria, que durou três anos, com a Renault — ou seja, Norris só andou na Fórmula 1, até o momento, com unidades de potência fornecidas pela fábrica francesa.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Lando Norris é um dos pilotos da McLaren para 2021 (Foto: AFP)

"Bato na madeira, mas acredito em mais confiabilidade, também. Encaixa um pouco melhor no carro, então, no geral, há muitas coisas positivas", explicou.

"Não sei de tudo, então tenho certeza de que alguns pontos negativos existem, e temos uma boa relação com a Renault, então as coisas eram tranquilas antes e serão agora, mas veremos muitas coisas novas. Tenho certeza de que algumas dessas coisas teremos de entender e não serão tão naturais aos mecânicos, aos engenheiros e com a forma que eles entendem tudo."

"Claro que farão um grande trabalho nessa transição, e em entender tudo. Mas algumas coisas serão um pouco mais desafiadoras. Porém, no geral, o pacote deve ser muito melhor, e isso nos dá confiança de que nos levará para mais perto do topo", completou Norris.

O contrato entre a McLaren de Norris e a Mercedes tem duração de quatro temporadas. Antes deste retorno, a equipe inglesa não só teve a Renault, como a Honda como fornecedora, em relação bastante complicada. A própria Mercedes foi a antecessora da dupla, entre 1995 e 2014.

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade