2 eventos ao vivo

"Foi frustrante ver o ritmo dele": Ricciardo lastima pódio perdido para Albon em Mugello

O piloto da Renault repetiu o resultado dos GPs da Inglaterra e da Bélgica na Toscana para terminar na quarta colocação. Daniel Ricciardo chegou a andar até em segundo, mas foi superado por Valtteri Bottas e, nas voltas finais, por Alexander Albon

15 set 2020
06h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Daniel Ricciardo concentrado antes da largada — a primeira — do GP da Toscana
Daniel Ricciardo concentrado antes da largada — a primeira — do GP da Toscana
Foto: Renault / Grande Prêmio

Ainda não foi desta vez que Cyril Abiteboul pagou a aposta combinada com Daniel Ricciardo e fazer a tatuagem (com desenho escolhido pelo piloto). A Renault teve outra chance real de quebrar um jejum de quase dez anos, uma vez que não sobe ao pódio da Fórmula 1 desde que Nick Heidfeld foi terceiro colocado no GP da Malásia de 2011. No acidentado GP da Toscana do último domingo (13), o piloto australiano foi um dos destaques, chegou até a superar Valtteri Bottas na última relargada para andar na segunda colocação, mas não teve como segurar a melhor performance da Mercedes. E, nas voltas finais, foi superado pela Red Bull de Alexander Albon, que faturou seu primeiro troféu na Fórmula 1. Restou ao sorridente piloto o quarto lugar, repetindo assim o resultado obtido nos GPs da Inglaterra e da Bélgica.

Ricciardo, sétimo colocado no Mundial de Pilotos com 53 pontos, admitiu que o desfecho da corrida em Mugello trouxe uma combinação de sentimentos distintos: a alegria por outra boa performance com a Renault, mas também o amargor por ver a conquista do seu primeiro pódio pela equipe de Enstone escapar por pouco.

Daniel Ricciardo se mostrou frustrado por não ter conseguido segurar a Red Bull de Alexander Albon (Foto: Renault)

"Estou em algum lugar no meio entre pular de felicidade e realizado para um pouco triste. A verdade é que é um pouco como Monza na semana passada. Nos colocamos na melhor posição, fizemos tudo o que podíamos e, no fim das contas, não tivemos aquela última gota para nos agarrarmos ao pódio", disse o piloto em entrevista coletiva pouco depois da prova.

  • Tudo sobre as 24 Horas de Le Mans 2020

Até a volta 50 das 59 previstas, Ricciardo era o terceiro colocado, mas o piloto de 31 anos lamentou por não ter conseguido segurar por mais tempo a pressão imposta pela Red Bull do anglo-tailandês.

"Com Albon, foi frustrante ver o ritmo dele. Senti que nos primeiro e segundo stints, estávamos meio que igualando, se não afastando, com os pneus macios no começo da corrida. Então, não achei que ele tivesse aquele ritmo", explicou.

"De repente, no fim, ele deu um grande passo sobre nós no terceiro setor, senti que era onde ele era mais rápido. E isso me permitiu que ele usasse o vácuo e acionasse o DRS. Esse era o setor que importava, e era onde ele se mostrava muito forte, nas curvas 12 e 15", destacou Daniel.

"Então, foi frustrante, porque pensei: 'De onde veio esse ritmo?'", complementou o dono do carro #4 da Renault.

Ricciardo revelou que pensou em usar da sua maior experiência para se defender de Albon e, talvez, induzir o jovem piloto taurino a um erro.

"Sabia que se pudesse segurá-lo por algumas voltas, talvez ele pudesse degradar seus pneus. Mas ele se livrou de mim muito rápido, e aí eu falei: 'Tá certo, provavelmente, já era'. Mas, no fundo da minha mente, estava tipo: 'Beleza, o menino nunca foi ao pódio antes'. Se tentar fazer de tudo para mantê-lo pressionado e forçá-lo a seguir pilotando num ritmo forte, talvez algo possa acontecer", comentou.

"Vi algumas vezes ele colocando uma roda na brita da curva 5, então pensei que talvez ele estivesse exagerando ou então ficando nervoso. Nas primeiras cinco voltas, ele tinha muito ritmo para que eu tentasse fazer qualquer coisa. Acho que consegui igualá-lo em algumas voltas, mas, mesmo assim, não senti que estivesse se aproximando muito", acrescentou Ricciardo, resignado.

Um dos momentos que Daniel traz de bom da Toscana foi a última relargada, em que conseguiu o feito de ultrapassar a Mercedes de Bottas.

"Vi imediatamente que tive uma partida melhor que a de Valtteri. Então, se estivéssemos correndo lado a lado, não vou meio que arruinar minha corrida para tentar me manter à frente dele, mas foi bem limpo, tive uma boa diferença sobre ele. Esperava segurá-lo por mais de uma volta, mas não foi o caso. Então, obviamente tentei alcançá-lo e não me tornar vulnerável ao Albon", concluiu.

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade