1 evento ao vivo

Telefônica Brasil tem lucro recorde de R$ 8,9 bi em 2018

Aposta em planos pós-pagos e na rede de fibra faz lucro total da companhia atingir R$ 15,4 bilhões, um crescimento de 5,5%

20 fev 2019
11h42
atualizado às 11h43
  • separator
  • 7
  • comentários

A Telefônica Brasil teve um lucro líquido recorde de R$ 8,9 bilhões em 2018, o que representa uma evolução de 93,7% em comparação com o ano anterior. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira (20) pelo CEO da Vivo, Christian Gebara, na divulgação do balanço financeiro e operacional da companhia no último trimestre do ano passado. De acordo com o executivo, o resultado foi possível graças à combinação do crescimento de receitas nos negócios com a eficiência em custos.

“Foram grandes iniciativas de eficiência e digitalização, que fizeram com que a nossa redução de custos fosse permanente nos últimos 12 trimestres”, comemorou Gebara. “O resultado é muito positivo se olharmos a evolução do custo com a inflação no período”.

Fachada do prédio da empresa de telefonia Vivo na avenida Chucri Zaidan, zona sul de São Paulo
Fachada do prédio da empresa de telefonia Vivo na avenida Chucri Zaidan, zona sul de São Paulo
Foto: ITACI BATISTA / Estadão Conteúdo

O lucro total (EBITDA recorrente) da Telefônica Brasil em 2018 atingiu R$ 15,4 bilhões, um crescimento de 5,5% em comparação com 2017. Esse cálculo considera o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização.

O VP Finanças da Telefônica Brasil, David Melcon, ressaltou a importância dos resultados em um ano de incertezas econômicas: “Conseguimos evoluir de maneira relevante na transformação digital da Companhia, executando nossa estratégia de expansão acelerada de fibra, enquanto seguimos incentivando o uso de canais digitais na relação com nossos clientes, melhorando sua experiência e aumentando nossa rentabilidade”.

Ano a ano, a companhia vem ampliando seus investimentos no mercado brasileiro com o objetivo de expandir a rede de fibra e a cobertura e a capacidade na tecnologia 4G e 4.5G. Em 2018, a empresa aplicou R$ 8,2 bilhões, o equivalente a 18,9% da Receita Operacional Líquida. O segmento pós-pago da operadora já representa 55,2% base móvel total, um crescimento de 6,2% no comparativo anual.

Com isso, a Vivo conquistou mais de 3,6 milhões novos clientes no ano, sendo 990 mil no último trimestre de 2018. A evolução anual foi de 7,5%.

“Nos concentramos no que chamamos de tecnologias do futuro, as redes 4G e 4.5G e o FTTH (rede de fibra)”, destacou o CEO. A aposta fez a Vivo, segundo Gebara, terminar o ano com 3,1 mil cidades brasileiras tendo a rede 4G e mais de mil municípios com a tecnologia 4.5G.

Rede de fibra

Já a rede fixa se expandiu a 30 novas cidades, o que tornou a empresa líder do segmento na América Latina, segundo Gebara. Agora, são cerca de 9 milhões de lares com a tecnologia “fiber-to-the-home” (FTTH).

Só no último trimestre de 2018, a receita da companhia com a rede de fibra cresceu 44% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. A expansão da fibra foi para 14 novos municípios, quase o mesmo crescimento de todo o ano anterior.

“Esse resultado é reflexo do aumento da base de clientes e da migração para velocidades mais altas com o FTTH. Para 2019, manteremos nosso ritmo acelerado de expansão”, garante Gebara. “A estratégia para o segmento móvel acompanha a da fibra. Com incentivo aos nossos clientes, por meio das ofertas de planos com mais serviços agregados, tivemos um aumento considerável da migração do pré-pago para o pós-pago”, explicou.

Veja também:

 

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 7
  • comentários
publicidade