PUBLICIDADE

SPX Capital assume operações do fundo americano Carlyle no Brasil

Gestora, além de abrir uma nova frente de negócio, sela ainda uma parceria estratégica de longo prazo; transação é prevista para ser concluída entre o segundo e terceiro trimestres deste ano

8 mai 2021 18h06
ver comentários
Publicidade

A SPX Capital, de Rogério Xavier, vai absorver as operações do Carlyle no Brasil em uma ofensiva no mercado de private equity. Com R$ 48 bilhões em ativos sob gestão nas mãos, a gestora, além de abrir uma nova frente de negócio, sela ainda uma parceria estratégica de longo prazo que lhe dará acesso à plataforma global do fundo americano.

Com o movimento, parte da equipe do Carlyle no Brasil vai para a SPX. O time será liderado por Fernando Borges, chefe da gestora americana para América do Sul. A transação é prevista para ser concluída entre o segundo e terceiro trimestres deste ano, a depender das aprovações regulatórias necessárias.

"Este é mais um passo para a criação de novas unidades de investimento e para se tornar um gestor de ativos global diversificado", afirma a SPX, em comunicado sobre o anúncio da parceria.

O Carlyle gere cerca de US$ 3 bilhões em ativos no País e tem participação em empresas brasileiras como a Tok&Stok, Ri Happy, Madero, Uniasselvi e Rede D'Or. Ao transferir as operações brasileiras à SPX, seu objetivo é se dedicar a negócios maiores.

Com a parceria, Carlyle e SPX poderão fazer investimentos juntos no futuro. "A parceria estratégica de longo prazo com a Carlyle fornecerá à SPX acesso à plataforma e aos recursos globais do Carlyle, que dão a opção de investir junto com a SPX em novos negócios acima de um determinado limite no futuro", afirma a gestora.

Fundada em 2010 por Rogério Xavier, a SPX era mais focada, até então, em fundos multimercados. Ao absorver a operação do Carlyle, ganha um impulso no mercado de private equity, de participação em empresas. Borges, que irá tocar a nova área na gestora, tem 25 anos de experiência neste mercado, tendo atuado em mais de 20 transações no Brasil.

Estadão
Publicidade
Publicidade