15 eventos ao vivo

Nova fase da Lava Jato mira Graça Foster, BTG e Esteves

23 ago 2019
09h12
atualizado às 11h05
  • separator
  • 0
  • comentários

A Polícia Federal realiza nesta sexta-feira uma nova fase da operação Lava Jato que cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao Banco BTG Pactual, ao fundador da instituição, André Esteves, e à ex-presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, informou o Ministério Público Federal em nota.

A investigação é baseada em depoimentos dados pelo ex-ministro Antonio Palocci no âmbito de sua delação premiada, disse o MPF.

"Uma das linhas investigativas diz respeito a possíveis ilícitos envolvendo a venda pela Petrobras ao BTG de ativos na África", disse o Ministério Público Federal.

"A partir de análise de documentos apreendidos em fase anterior da operação Lava Jato, identificaram-se indícios de que os ativos foram comercializados em valor substancialmente inferior àquele que havia sido avaliado por instituições financeiras de renome no início do processo de venda", acrescentou.

De acordo com o Ministério Público Federal, os ativos africanos da estatal haviam sido avaliados em entre US$ 5,6 bilhões e US$ 8,4 bilhões, mas o equivalente a 50% desses ativos foram vendidos ao BTG por US$ 1,5 bilhão em 2013.

Os investigadores afirmam ter encontrado indícios de irregularidades como o acesso pelo BTG a informações sigilosas e a possível restrição de concorrência para favorecer o banco.

Numa outra frente de investigação, o MPF disse que Palocci afirmou que Esteves teria acertado com o também ex-ministro Guido Mantega o repasse de R$ 15 milhões para que o BTG fosse favorecido em projetos de sondas da Petrobras no pré-sal.

Além disso, ainda segundo o MPF, emails do ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht e depoimentos dados por Palocci indicam que Graça Foster saberia do esquema de corrupção na Petrobras e não teria adotado medidas para combatê-lo.

Graça Foster presidiu a estatal entre 2012 e 2015, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. Palocci foi ministro da Fazenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e comandou a Casa Civil sob Dilma. Mantega foi titular da Fazenda nos governos Lula e Dilma.

"Esta é mais uma investigação relativa a possíveis crimes que têm relação com instituições financeiras. Já houve denúncias apontando crimes relacionados a funcionários do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Paulista e corretoras. A força-tarefa de procuradores e a Polícia Federal têm explorado todas as linhas investigativas na sua esfera de atribuição", disse o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no MPF, Deltan Dallagnol, de acordo com a nota.

Em comunicado, o BTG Pactual confirmou que seus escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo foram alvos de operações de busca e apreensão pela Polícia Federal e disse que está colaborando com as investigações para que tudo seja esclarecido o mais rápido possível.

"Bem como esclarece que os fatos da referida busca e apreensão foram objeto da investigação independente conduzida por um comitê especial liderado pelo escritório de advocacia externo Quinn Emanuel Urqhart & Sullivan LLP, cuja conclusão indicou não existir indícios para concluir que as alegações de prática de atos ilícitos sejam críveis, fidedignas ou fundamentadas em provas concretas", afirmou

O advogado Tracy Reinaldet, que representa Palocci, disse que a nova fase da Lava Jato mostra o compromisso do ex-ministro em colaborar com as autoridades.

"A operação deflagrada na data de hoje demonstra a seriedade e a efetividade do procedimento de colaboração realizado por Antônio Palocci, o qual continuará cooperando de modo amplo e efetivo com a Justiça", disse.

Não foi possível entrar em contato imediatamente com Graça Foster ou seus representantes. O advogado de Mantega também não respondeu de imediato aos pedidos por comentários.

Veja também

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade