0

Não é necessário que militar comande Petrobras, diz Mourão

Vice-presidente eleito afirmou que estatal 'passou por um processo severíssimo de saneamento e está saneada'

9 nov 2018
14h22
atualizado às 15h08
  • separator
  • comentários

A pedido do presidente eleito Jair Bolsonaro, o vice-presidente eleito general Hamilton Mourão passou a manhã em visita à sede da Petrobrás, no Rio, onde se reuniu com o presidente da empresa, Ivan Monteiro, e toda a diretoria. Após o encontro, Mourão disse ao Estado que a empresa "passou por um processo severíssimo de saneamento e está saneada".

Questionado se ainda havia a possibilidade de um general assumir o comando da estatal, ele respondeu: "Minha opinião é que não é necessário que seja alguém do meio militar". Sobre nomes para o cargo, ele disse que é uma decisão do presidente Bolsonaro.

General Hamilton Mourão (PRTB), eleito vice-presidente da República
General Hamilton Mourão (PRTB), eleito vice-presidente da República
Foto: ALEX VIANA/AGÊNCIA F8/ / Estadão Conteúdo

O general Mourão contou que assistiu a uma "apresentação da situação da empresa" e que ficou "muito satisfeito com a recuperação que a Petrobras teve, graças à gestão altamente profissional da equipe que está lá". Segundo Mourão, "eles fizeram um trabalho fantástico de, em três anos, recuperar toda a lambança que foi feita na empresa".

Perguntado se ainda seria necessário algum pente fino na Petrobras para buscar a existência de ralos de corrupção, o general Mourão foi taxativo: "Não tem. Eles mudaram toda a estrutura. Era uma estrutura compartimentada. Cada diretor fazia o que bem entendia. Agora, não. Agora a empresa está toda na regra moderna de governança, com tudo passando pelo conselho de administração".

De acordo com ele, a Petrobras "está saneada, adquirindo solidez e com projetos muito consistentes". Ele ressaltou que "a empresa passou por um processo severíssimo de saneamento, extremamente profissional". E acrescentou: "é algo que a gente tem de se sentir orgulhoso do trabalho desse pessoal na empresa, da recuperação que eles fizeram na Petrobras".

O general Mourão não falou sobre nomes, reiterando que o presidente Bolsonaro é que decidirá sobre isso e que ainda não foi decidido também quem será o ministro das Minas e Energia, a quem a Petrobras está vinculada. Mas ressaltou que "não precisa ser um militar".

Veja também:

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade