2 eventos ao vivo

Vale retomará operação e minério de ferro desaba na China

Justiça autorizou empresa brasileira a recomeçar atividades em sua maior mina de minério de ferro no Estado de Minas Gerais

20 mar 2019
08h42
atualizado às 08h50
  • separator
  • comentários

Os contratos futuros do minério de ferro na China caíram quase 6% nesta quarta-feira (20), na maior queda em três meses, diante de expectativas de maior oferta já que a Vale deve retomar as atividades em sua maior mina de minério de ferro no Estado de Minas Gerais.

A mineradora brasileira informou na terça (19) que a Justiça abriu caminho para que a companhia retome as operações na mina de Brucutu, que foram suspensas desde o início de fevereiro, após o colapso da represa de Brumadinho (MG) matar centenas de pessoas.

Logotipo da Vale. 7/8/2017. Picture taken August 7, 2017. REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo
Logotipo da Vale. 7/8/2017. Picture taken August 7, 2017. REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo
Foto: Reuters

A mina tem uma capacidade instalada de 30 milhões de toneladas de minério de ferro, ou cerca de 8% da produção anual planejada da Vale no Brasil. A empresa precisa agora da aprovação de autoridades locais para retomar o trabalho.

"Não está claro para nós se o reinício é iminente... Se essa mina voltar a ficar ativa, isso aliviará parte do aperto esperado no mercado de minério de ferro", disseram analistas da Jefferies em nota.

O mercado estava esperando pelo menos 64 milhões de toneladas de redução na produção, depois que a Vale anunciou na semana passada que iria reduzir ainda mais os trabalhos.

O contrato de minério de ferro mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian chegou a cair 5,7% quando o mercado abriu, fechando o dia em queda de 3,8%, a 613,5 iuanes (91,40 dólares) por tonelada.

Em paralelo, os futuros do vergalhão de aço na Bolsa de Xangai caíram 0,5%, para 3.777 iuanes por tonelada.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade